Post patrocinado: Básicos nada básicos e muita cultura em Barcelona
12 de julho de 2014 POR Jojo COMENTA AQUI!
No último post a gente falou de um monte de lugares legais pra esquecer a dieta aqui em Barcelona. Mas, como já diziam os Titãs: “a gente não quer só comida”. Então, falemos hoje do segundo, dos nossos 3Cs de Barcelona: um pouquinho de cultura, porque não faz mal a ninguém e passar em Barcelona sem adentrar um museu, igreja ou belezura arquitetônica é simplesmente um pecado.Eu já tinha ficado com isso na cabeça da última vez que passei pela cidade, mas foi tão rapidinho que não deu pra ter a noção completa da coisa. A verdade é que é chocante o quanto de gente gênia da arte nasceu ou morou por aqui ou aqui pertinho. A Catalunha lá na virada do século 19 era realmente um celeiro de gente talentosa. Veja bem: Dalí, Gaudí, Miró, Picasso. Gente de pouquíssimo pesa pra história da humanidade #sqn.

Antes de entrar na minha relação de  “tem que ver” culturais, vamos ao look que protagonizou um dos dias culturais da viagem. Apesar de dois dos posts da viagem terem sido looks mais arrumadinhos, a verdade é que, 90% do tempo, eu estava de shortinho e camiseta.

O legal do combo shortinho + camiseta é que ele parece básico e sem imaginação, mas ele pode render tanta coisa. Quem lembra quando a gente falou aqui dos básicos nada básicos, nossa parceria com a mi.li.ca.? Pois bem, hoje é tipo “básicos nada básicos em Barcelona”.

A fórmula é simples: short e camiseta. A riqueza aqui, como sempre, está nos detalhes. O short é dois tamanhos maior pra poder ser usado como cintura alta e ainda assim ficar com esse aspecto larguinho/improvisado.

A camiseta é cinza e simples, não fossem os spikes estrategicamente aplicados nos ombros e descendo pras mangas.

E não esqueçamos de finalizar a história com a plataforma uber confortável e levinha e, ainda por cima, prateada (só pra combinar com os spikes).

Fácil, confortável e com um charminho. Perfeito para os dias de calor de Barcelona. Ah, então voltemos a ela. Tá aqui a minha listinha dos programas culturais mais bacanas pra se fazer em Barcelona.

Tudo que tiver o dedinho do Gaudí: o arquiteto que, no início do século passado, transformou arquitetura em arte e tratou de embelezar Barcelona com seus prédios inspirados em elementos da natureza. Então, vamos à eles:

La Pedrera (ou, como foi originalmente chamado: o edifício Millá) foi encomendado à Gaudí pela família Millá. A ideia era construir um edifício residencial no meio da Passeig de Gracia (que, desde aquela época, já era a avenida mais chique de Barcelona). A família Millá ficaria com o apt do primeiro andar e os depois apartamentos seriam alugados. O projeto do prédio era tão diferente de tudo o que existia na época que causou brigas entre os moradores da cidade (por isso o apelido “La Pedrera”, que significa “a briga”). Resumo: é lindo e, simplesmente diferente de tudo o que eu já ví (Gaudí tem essa mania de sempre surpreender a gente). Simplesmente tem que ir.
DICA BOA 1: a casa oferece visitas à noite em grupos pequenos e com guias que passam por áreas exclusivas da casa.
DICA BOA 2:  durante o verão, tem show de jazz no terraço às quintas, sextas e sábados. A vista é linda, o clima é delicioso e o ingresso ainda dá direito à uma taça de cava.

 

Parque Güell: originalmente, o parque era pra ser um condomínio de casas. O Gaudí foi convocado para desenhar o empreendimento. Algumas casas foram construídas, mas a maior parte do terreno se tornou um parque com um pátio lindo desenhado pelo arquiteto. Um lugar lindo pra passear, descansar e apreciar a natureza.
DICA BOA 1: lá dentro fica a casa onde Gaudí viveu durante alguns anos de sua vida. Vale entrar e entender um pouco melhor como o gênio vivia.
DICA BOA 2: vale andar um pouquinho pelo parque e ir até seu ponto mais alto (onde tem a cruz). A vista de Barcelona de lá é de tirar o fôlego.

Casa Batló: outro prédio residencial desenhado pelo arquiteto e fica logo ali no Passeig de Gracia, pertinho da Pedrera. É deslumbrante. Mesmo. Muitos dizem que foi com ela que Gaudí atingiu a sua maturidade profissional.
DICA BOA 1: o audioguia vale muito à pena. Dá pra entender super bem as inspirações do artista pela casa e a relação de cada elemento com a natureza.
DICA BOA 2: também rola eventinho durante o verão. Esse da Casa Batló eu achei ainda mais legal que o da Pedrera. Rola showzinho de jazz  no terraço do prédio. Esse perde do evento da La Pedrera pela vista (porque o terraço da Batló fica no primeiro andar atrás do prédio), mas compensa pelas bebidinhas e comidinhas que você pode comprar na hora. Tudo super gostoso e charmoso.

Sagrada Família: Gaudí devotou mais de 30 anos de sua vida ao projeto e início da construção da catedral. Pra vocês terem uma ideia, a bicha é tão enorme que até hoje não ficou pronta (a previsão é de finalizar a obra em 2050). Mas é simplesmente o lugar mais lindo construído pelo homem que eu já ví na vida (junto com o Grand Palace na Tailândia). É tão lindo que fica difícil pensar em como alguém pode ter pensado em tudo aquilo.
DICA BOA 1: o audio guia também vale muito à pena aqui, especialmente para entender direitinho a história de cada fachada.
DICA BOA 2: vale muito subir na torre! Dá um medinho da altura, mas é lindo demais!
DICA BOA 3: comprar ingresso pela internet!!!! Essa é a dica MAIS IMPORTANTE! Você compra um determinado horário e, indo na hora certinha determinada, você não pega a fila enorme (repito: ENORME) que se forma pra comprar ingresso na hora. Sério, é o melhor esquema.

 

Museus e mais museus:
Dois outros gênios tiveram uma relação muito forte com Barcelona. Ambos criaram museus próprios na cidade para marcar a importância da cidade em suas trajetórias:

Museu Picasso: fica ali no Bairro Gótico, ou seja, no meio de tudo e super tranquilo de chegar. O museu conta a história do início da vida artística de Picasso e seu trajeto pelos estilos clássicos até encontrar o seu próprio.
DICA BOA: suba no terraço, a vista é linda, pra variar.

Fundação Miró: fica lááááá em Montjüic (o morro que abriga o estádio olímpico e o Poble Espanyol). Mas, entre todas as coisas que vimos lá, a fundação Miró foi uma das que mais me encantou. A história do artista é deliciosa de descobrir e suas obras são lindas de se ver: apesar de serem muito abstratas é legal perceber como cada uma provoca efeitos diferentes na gente.
DICA BOA: dá pra chegar em Montjüic de um monte de jeitos: ônibus, táxi, andando, enfim. A gente escolheu ir de bike e eu recomendo muito. Apesar de ser uma subida e tanto, o caminho é inteirinho preenchido de escadas rolantes em que dá pra levar a bike. Vale muito à pena simplesmente porque o caminho é lindo de viver. Vá de bike até a Plaça d’Espanya para ter a visão de tudo de baixo e vá subindo. As fontes em frente ao Palácio Nacional são demais.

Catedrais: no Barrio Gótico você esbarra com uma catedral a cada esquina. Vale entrar, nem que seja pra dar uma olhadinha, em cada uma delas. A gente foi na Catedral de Barcelona, que cobra entrada mas compensa com um lindo pátio interno com fontes de água e gansos nadando e um museu de arte sacra lá dentro.

Bem, a verdade é que Barcelona é uma cidade tão antiga que, só andar pelas suas ruas (ou pelo menos pela parte velha da cidade) já é uma aula de história. Uma coisa legal de observar são as placas de metal  encrustadas no calçadão em frente a algumas lojas. Trata-se de um reconhecimento da cidade de Barcelona por seus estabelecimentos comerciais mais antigos, uma forma de agradecer àqueles que ajudaram, ao longo dos séculos, a construir a cidade.

Impossível viver toda a cultura que Barcelona tem pra oferecer em uma única visita e, mais difícil ainda, colocar tudo isso num post só. Como sei que tem um monte de leitora craque em Barcelona (aliás, super obrigada pelas dicas de vocês aqui e no Insta! Me ajudaram muito durante a viagem!), fica aqui o meu pedido pra que vocês contem as suas experiências culturais com a cidade aqui nos comentários. Assim, a gente monta um guia mais completinho pra quem está planejando em conhecer a cidade. Vamo? Conto com a colaboração de vocês!

Créditos:
Camiseta: mi.li.ca. store
Short: Zara
Cinto: Zara
Bolsa: Marc by Marc Jacobs
Sapato: Schutz

 

  • Mayara Franca

    Você disse exatamente o que eu senti na Sagrada Família, é inacreditável que um homem concebeu aquela ideia e realizou, é com certeza, o monumento mais surreal e incrível que já entrei na minha vida, Barcelona já vale por isso. Fiquei 3 dias em Barcelona e com certeza foi muito pouco, acho que vale a pena citar o Palácio da Música Catalã que é maravilhoso também, assisti um show de guitarra espanhola lá e foi divino. Amei essa blusa de paixão, muito linda!
    Curti mais Madri que Barcelona, muito mais inclusive.
    Beijo, Jojo!