Os absurdos de Cannes
20 de maio de 2015 POR Jojo COMENTA AQUI!
Essa semana tá rolando Festival de Cannes. Eu sei porque, desde que ele começou, pra onde quer que eu olhe, dou de cara com uma lista de “Melhores looks do tapete vermelho”. Fotos e mais fotos de atrizes super produzidas, trazendo para vida looks recém desfilados nas passarelas.Eu não costumo postar listas de “best dressed”.  Acho que fiz uma vez, láaaaa no início do blog, quando rolou o casamento entre o Príncipe William e a Princesa Kate. Mas a verdade é que não vejo muita utilidade em um post desses. Ah! A fulana foi de Armani Privé, jóias Chopard, sapatos Louboutin, perfeito pro dia a dia. Lógico que gosto de dar uma olhadinha, mas fico com uma preguiça enorme de postar essas coisas.

Mas parece que não sou só eu que ando de saco cheio de ficar me deparando com matérias e mais matérias sobre looks de tapete vermelho.

Se você já assistiu a alguma cerimônia pré-Oscar, com certeza já presenciou a diferença de tratamento dado a homens e mulheres que cruzam o tapete.

Pergunta de um repórter para um ator:

– Olá, fulano, que dia maravilhoso para se estar aqui, não é mesmo? Como está se sentindo em ter sido nominado como melhor ator pelo seu filme X?

Pergunta de um repórter para uma atriz:

– Olá, fulana, você está linda hoje! Me conte tudo sobre esse seu look maravilhoso! Quem te vestiu?

Pois é, num evento em que se celebra as conquistas de homens e mulheres (em igual medida) por performances que muitas vezes contam histórias de superação de preconceitos, o tapete vermelho ainda é lugar de objetificação das mulheres e de diminuição de suas qualidades. O foco na aparência em detrimento de todos os outros atributos e talentos deveria ter parado lá pela década de 70, mas, por algum motivo, ainda continuamos perguntando as mesmas coisas para Cate Blanchett que perguntávamos para Elizabeth Taylor.

O assunto é tão sério e tão representativo do que nós mulheres ainda somos submetidas nos dias de hoje que, no Oscar desse ano, o Representation Project lançou uma campanha em parceria com o Twitter chamada “Ask her more”. A ideia era incentivar as pessoas a twittarem perguntas inteligentes para inspirar os jornalistas sem criatividade que só ficavam na ladainha do “Qual o seu look? Quem te vestiu? De quem são suas jóias?”.

Bem, isso tudo foi só uma recapitulada pra quem ainda não tinha ouvido falar do assunto.

A verdade é que, mesmo depois de todo o barulho sobre sexismo no tapete vermelho, Cannes chega e a gente tem que se deparar com situações ainda mais surreais.

Primeiro foi o alvoroço causado pela coletiva de imprensa do filme Carol, em que Cate Blanchett foi perguntada se ela já tinha tido relacionamentos com mulheres. O filme se passa na década de 50 e retrata o romance homossexual entre duas mulheres interpretadas por Cate e Rooney Mara (The Girl with the Dragon Tattoo). À pergunta, Kate respondeu: “Sim, já tive vários relacionamentos com mulheres. Mas, se você quis dizer sexuais, não, não tive nenhum”.

Bem, resta dizer que só a primeira parte da resposta chegou às chamadas de matérias em centenas de publicações pela internet afora. A ponto de Cate se sentir obrigada a fazer um novo pronunciamento.

“Em 2015, a questão deveria ser: ‘quem se importa?’ Me chame de antiquada, mas eu achava que o trabalho de um ator não era representar seu próprio, pequeno e monótono micro universo, mas sim de expandir o seu senso de universo e criar uma conexão psicológica com a experiência de um personagem, para que você possa melhor representá-lo. Para que você possa apresentar um outro mundo ao seu público.”

E completa:

“Eu acho que o que acontece hoje é que, se você é homossexual, você é obrigado a falar sobre isso constantemente, isso vira um assunto que vem antes mesmo do seu trabalho ou de qualquer outro aspecto da sua personalidade. Estamos vivendo um tempo muito conservador. Se você não concorda, você está sendo ingênuo.”

Dito isso, o Festival de Cannes resolveu provar que Cate tem razão quanto aos tempos conservadores em que vivemos. Desde o início da semana, não páram de surgir relatos no Twitter de mulheres barradas na porta do Festival simplesmente porque estavam usando sapatos baixos.

Sim, minha gente. No screening de um filme que fala sobre um amor proibido entre duas mulheres na década de 50, teve mulher que não pôde entrar em 2015 porque estava de sapatilha.

A coisa chegou ao cúmulo de barrarem Valeria Richter, produtora de cinema que estava com uma sapatilha baixa simplesmente porque tinha parte do pé amputado e não consegue manter o equilíbrio usando sapatos de salto alto. Fazer uma mulher ter que argumentar sobre sua necessidade física de usar sapatos baixos em 2015 é realmente coisa de outro planeta.

A verdade é que isso é só uma ponta do iceberg de tudo o que ainda precisamos conquistar como mulheres e como civilização. Tudo começa com a consciência, com perguntas mais inteligentes que geram respostas mais inteligentes e consumo de conteúdo mais inteligente.

Afinal de contas, o vestido pode ser lindo. Mas quem veste é sempre muito mais interessante.

 

Tags:
  • Maria

    "Fazer uma mulher ter que argumentar sobre sua necessidade física de usar sapatos baixos em 2015 é realmente coisa de outro planeta."

    Totalmente!

  • Post incrível! Parabéns.

  • SHIRLEY SANTOS

    Concordo em gênero, número e grau.

  • Joana, boa tarde.
    Te acompanho desde os primórdios de UASZ, acho que lá pelo dia 13, se não me engano. Adoro suas dicas sobre moda e aproveitamento de peças que ficam encostadas no armários por milênios. Mas adoro, especialmente, os posts como o acima, em que você mostra a importância do interior em relação ao exterior, sem se tornar chata ou clichê. Arrasou, garota!
    Hoje, mais do nunca, fico feliz em ter te acompanhado por tanto tempo!

    De sua fã, mais do que nunca, Tássia Neves

  • É Jojo, um absurdo atrás do outro mas, pra mim, o que fica com o topo da lista é esse do salto alto. Então a mulher é obrigada a usar salto alto? E se ela não gostar e se ela não se sentir confortável? Não? Não.
    Perfeito o texto, o Ask Her More tem que chegar a TODO tapete vermelho, à toda premiação, à todo lugar né?

  • Anônimo

    legal abordar todo esse assunto.
    esses valores trocados, isso nao é conservadorismo, é futilidade. ser mulher num mundo de homens é difícil, e enquanto assim permanecer, os parametros entre generos continuarao distorcidos. infelizmente…

  • Joana!
    Preciso te dizer que conforta o coração ler um post desses…ver sanidade em meio a essa loucura de todos esses blogs de moda que existem por aí. Valores trocados, supervalorização de coisas que deveriam ser totalmente coadjuvantes, felicidade dependendo tanto do ter. A vida é tão mais simples, né? A felicidade então, nem se fala. Obrigada por plantar essas sementinhas tão boas, vc faz a diferença e é uma delícia te acompanhar! (faço isso desde o comecinho…hj em dia por instagram, snapchat…hahahah)
    P.S: O Cesinha, que fez um trabalho com vc a algum tempo atrás, é super meu amigo e eu preciso confessar que adorei saber que vcs se conheceram. Quem sabe um dia nos conhecemos…seria um prazer enorme!
    Que vc tenha a cada dia mais e mais sucesso…sucesso de verdade, daquele q a gente percebe que é trilhado passo a passo. Vc vai longe! Tem aqui uma admiradora!
    Beijoos, Monica Benini

  • E parabéns por ter assumido a tag feminismo

  • Jojo, seu post me remeteu a uma ação que a agência Agnelo Comunicação acabou de criar. Da uma olhada que bacana: http://youtu.be/jjqI3XzuqOM

  • Parabéns pela postagem!! Foste muito feliz nas colocações aqui feitas!! Sucesso!
    Daiane Borsatto
    http://www.desesperofashion.blogspot.com

  • Anônimo

    Post maravilhoso Jojo !! Aplausos !

  • Boa, garota! Sinto muita, muita falta de conteúdo que transcenda a questão do vestir (os post de "must have" são, bem…) e aborde outras questões, como as comportamentais…gosto de escrever especialmente sobre a relação de moda/consumo com marketing e educação financeira – afinal, é desafiador não sucumbir às motivações emocionais que nos cercam por todos os lados e nos incentivam a comprar e comprar – em detrimento da valorização de outros aspectos da nossa existência (filosófico,isso!rs). Enfim, ainda me falta coragem de entrar na blogosfera e correr o sério risco de acabar fazendo mais do mesmo. Parabéns pelo UASZ!

  • G.

    Jojo, mais um post excelente! Obrigada por ser um diferencial nesse marasmo de blogs que vemos por ai todos os dias! Por isso você continua sendo umas das minhas favoritas! Parabéns!

  • Juliana Trento

    Assino o feed do seu blog desde o começo, mas nunca comentei aqui (por preguiça, confesso!)
    Mas olhaaaa!!!! Tô aqui aplaudindo em pé seu texto! Parabéns! Pontos muito bem colocados!

    Beijos

  • Anônimo

    Jojo, acompanho seu blog desde o iníciozinho (o primeiro mês do ano sem compras), sigo no insta e agora no snap. Adoro vc e sua visão de moda, apesar dos nossos estilos serem um pouco diferentes, mas já me inspirei demais nos seus looks. Torço pelo seu sucesso e sua felicidade! É estranho isso, a gente que te segue acaba se envolvendo tanto, que eu já me sinto sua amiga há anos kkkkk Obrigada pelas dicas e pelas postagens ótimas de sempre, vc está cada dia melhor! Ah, e quanto a esse post sobre Cannes, absurdo, eu concordo com vc totalmente!! Beijos e fica com Deus. Marcela – Natal/RN/Brasil

  • Juliana

    Sempre suspiro e fico feliz quando leio posts em blogs de moda que falem mais do que look do dia!
    Esse post foi assim! Um suspiro de esperança no meio de tanta marca, tanto look do dia, tantas viagens… Já cansei de ver o mesmo óculos Dior, o padrão Patricia Bonaldi, a mesma bolsa… enfim.. Parabéns pelo post! Adorei! E Cate e DIVA!

  • Sensacional!

  • Genial, Jojo!!!
    Não acredito que ninguém comentou justo esse post..
    Acompanho o blog há mil anos (e sou exagerada, ok!), mas acho que nunca comentei o quanto admiro vc por se destacar no meio desse mundo fashion como alguém tão pouco (ou nada) afetada. E mais, que trás esses temas pra suas leitoras pensarem. Isso é usar a ferramenta com inteligência.
    É surreal o retrocesso que estamos vivendo, fruto do excesso de compartilhamento de informações que limita o pensamento ao invés de expandir. Ninguém tem realmente tempo de formar opinião. Estamos virando esponjas que só absorvem e compartilham. Compartilham frenéticamente em troca de likes e comentários e polêmica. O ideal é fazer a internet ferver, mesmo que a causa seja nada nobre.
    Enfim..gostaria de ter visto aqui um monte de comentários e saber o que as pessoas andam pensando sobre isso tudo. Mas…

    Um beijo! Tu arrasa!

  • liza

    concordo totalmente! que se vistam como quiser! seja no festival de cannes ou na praia.

  • Jojo, amando a nova fase do blog e a forma como você tem abordado pautas feministas que atravessam ou são atravessadas diretamente pela Moda (como a recente postagem sobre o corpo plus size que, pasme, comporta as medidas Busto 94, Cintura 77, Quadril 108, para 1.76 de uma das modelos da categoria).
    Adoro esse vídeo, conhece este?
    http://www.brasilpost.com.br/2015/04/24/mark-ruffalo-scarlett_n_7137932.html

    Você ainda vai brilhar muito, visse?! Feliz com a tua felicidade no novo ciclo, beijo grande!

  • Paula

    Oi, Jojo, acompanho seu blog há tempos, mas não lembro se já comentei aqui.

    Acompanho premiações e tapetes vermelhos desde que me entendo por gente e já tinha ouvido falar sobre o Ask Her More. Acho, sim, que é preciso fazer perguntas mais inteligentes às mulheres. Não aguento mais ler reportagens com atrizes respondendo como equilibram trabalho e vida pessoal, mostrando o corpo sarado duas semanas depois de parir, essas bobagens. Também concordo que alguns repórteres passam dos limites em relação ao sexismo.

    Mas não acho que red carpet seja o lugar para se aprofundar. Sério, pra que serve um red carpet? Por que os atores ficam desfilando e posando pra fotógrafos em vez de entrar direto para a premiação? Porque estão lá para vender uma imagem e um estilo de vida, e o que eles vestem faz parte disso. Se não importasse, nenhuma das atrizes usaria vestidos emprestados ou feitos sob medida de estilistas renomadíssimos. Sei lá, acho meio contraditório você se montar toda, de certa maneira entrar no jogo e não querer que ninguém fale sobre isso. Inclusive, duvido que algum estilista queira continuar fazendo vestidos para uma atriz que se recuse a responder "who are you wearing?".

    E, cá entre nós, eu não assisto tapete vermelho para ouvir sobre o processo de criação da personagem e sobre a visão do diretor. Pra isso, eu vejo uma entrevista no youtube ou leio uma reportagem. Red carpet é sobre moda e o glamour que, no fim das contas, fazem parte da profissão e desse tipo de exposição. Sinceramente, não vejo nada de errado nisso.

    Por último, acho natural rolar uma diferença de tratamento entre homens e mulheres nesse contexto em que o mais importante é a moda. Homens usam só ternos, não têm muita coisa a responder sobre o assunto.

    Meu comentário ficou enorme, mas eu adoro essas discussões. Enfim, espero que você traga mais assuntos como esses, são muito importantes! Beijos!

    • Anônimo

      Perfeito! Além disso, quem quer saber sobre as roupas que as atrizes vestem, somo nós mesmas! As mesmas mulheres incomodadas! Estranho ne….

  • Anônimo

    ah… to voltando pra dizer q esse post merecia uma semana temática sem salto! (com looks variados, do casual ao formal :p)
    nao uso salto ha 8 anos, e nem por isso me sinto menos feminina ou elegante por isso… seria interessante ver blogueiras tb quebrando esse "protocolo", manda ver!!

  • Aplausos para seu post!!

  • Lara

    Um dos melhores posts. Parabéns! Que venham mais assim.

  • E outra: TAG FEMINISMO = <3

  • isadora

    um post lindo desses e com tag feminismo! assim eu choro de emoção <3 é tão maravilhoso ler isso num blog…não é a toa que é o meu preferido! brilha muito!!!!!!!

  • Anônimo

    Jojo, tinha visto outras coisas sobre essa campanha "Ask her more" e achei sensacional, quando pensei comigo mesma. Peraí, quem é que ta se importando com a roupa das atrizes? Não somos nós mesmas? As mulheres? Não estamos reclamando de uma atitude nossa mesma? Pra pensar… Beijos

  • Pollyana

    E tem gente que em pleno 2015 bate foto com uma plaquinha dizendo: "eu não preciso de feminismo pq…"
    Todas nós precisamos. TODOS OS DIAS.