10 coisas que eu amei fazer em NY
26 de julho de 2016 POR Jojo COMENTA AQUI!

Eu sei, eu fiquei um tempão sem postar aqui. Eu ainda tô aqui no Brasil, por conta de um mini probleminha de saúde (que já passou), e acabei ficando mais quieta nos últimos dias. Mas agora estou ótima de novo e com animação redobrada pra voltar a postar.

Portanto, cá estou eu novamente com um post que demorou a vir, mas finalmente chegou. Desde que voltei de NY, muita gente cobrou e aqui no UASZ a voz do povo é soberana. Entonces, bora prestar atenção que aqui vão as minhas as 10 coisas que eu mais curti fazer em NY nessa última ida à cidade que nunca dorme.

1. SLEEP NO MORE 

O Sleep No More é mais do que uma peça interativa, é uma experiência meio difícil de explicar. Você chega num prédio no Chelsea onde fica o fictício McKittrick Hotel. Ao entrar, é levado para a área do bar, onde recebe uma máscara branca que tem que usar durante toda a apresentação. É então que a experiência começa de verdade.

Ao sair do bar, você começa uma jornada pelos diversos ambientes desse hotel do terror, de apartamentos ambientados com fotos de crianças sinistras, passando pelo ambulatório com cara de hospício, o salão central, a recepção macabra e até um cemitério. Em cada ambiente, é possível se deparar com atores (é fácil identificá-los porque são os únicos que transitam sem máscaras). Em cada ambiente, eles vivem histórias e você fica lá, de observador.

Como não tem um caminho certinho pra você ir passeando pelo hotel, cada pessoa acaba fazendo um caminho e vendo diferentes partes dessa peça quebra-cabeça. E isso que é o mais legal! Eu mesma vi um monte de coisas que o maridão não viu e ele viu coisas que eu não vi (a gente foi cada um pro seu lado logo no início que era justamente pra ver pedaços diferentes da peça).

Vale demais a pena! O ingresso custa 86,50 dólares por pessoa e pode ser comprado no site da peça.

2. THE GALLOW GREEN

O Gallow Green é mais um motivo pra você ir no Sleep no More. Um bar lindo, no topo do prédio que  fica bem ao lado do tal hotel mal assombrado. O lugar é do mesmo pessoal que produz a peça, mas não lembra em nada o clima sombrio do McKittrick Hotel. O Gallow Green é lindo, verde (como o nome já diz) e exala um ar bucólico que é difícil de encontrar em plena Manhattan.

Ainda sobre ontem: fim de tarde no jardim secreto. #JojoemNY

A photo posted by Jojo (@mourajo) on

Vale chegar mais cedo pra tomar um drink por lá e ver o pôr do sol.

3. MANUS X MACHINA NO MET

Com certeza uma das coisas mais legais que eu fiz em NY foi ter ido na exposição Manus x Machina do Costume Institute no Metropolitan Museum of Art.

A exposição tem como tema principal a relação do trabalho manual e industrial na moda, especialmente na alta costura. No acervo, mais de 170 peças que vão desde o início do século 20 até os dias de hoje, incluindo roupas inteiramente impressas em 3D.

A exposição culmina com um vestido de noiva assinado por Karl Lagerfeld, com cauda de mais de 6 metros. Apenas deslumbrante. Mas o mais legal mesmo é entender como a alta costura e a arte de criar roupas que são um atestado ao seu tempo vem conciliando desde sempre o manual e o industrial. Privilegiando o melhor de cada um, escolhendo a técnica precisa pra chegar no resultado mais arrebatador. Manus e machina, antigo e novo, trabalhando juntos.

4. CONEY ISLAND

Eu tinha ido a Coney Island uma vez, há anos, num inverno daqueles bem gelados. Na praia não se via areia, só neve. Um branco que cobria asfalto, praia e mar e parecia não acabar mais.

Ao redor, ninguém. Os parques de diversão fechados. Silencio total.

Sempre quis voltar no verão e ver aquele lugar ganhar vida. E voltei. A verdade é que gente não podia ter escolhido um dia mais oportuno pra ver o oposto do que eu vi anos atrás. Era 4 de julho, feriado nacional americano. O dia amanheceu quente, lindo, azul e multidões se enfiavam nos vagões do metrô em direção à Coney Island.

Bastou sair da estação, lá no final da linha pra ver a rua tomada de gente. Crianças gritando do alto das montanhas russas, gente bebendo, sorrindo, brincando, passando de um lado pro outro, tentando achar um metrinho quadrado de areia na praia. Pois é, se lá no inverno a areia era branca de neve, dessa vez ela era colorida de gente.

Morre de medo de altura, mas ama roda gigante: eu. #JojoemNY

A photo posted by Jojo (@mourajo) on

Tomamos uma cerveja, passeamos, comemos batata frita na beira da praia e andamos na montanha russa mais antiga dos Estados Unidos. E vimos uma outra Nova Iorque muito diferente dos prédios altos e das ruas cheias de carro. Eu recomendo.

5. DUMBO FLEA MARKET

DUMBO é um pedacinho do Brooklyn que fica bem embaixo da Manhattan Bridge (daí vem o nome, uma abreviação de Down Under the Manhattan Bridge Overpass). Um lugar super charmoso, na beira do rio, com vista pra Manhattan e a Broklyn Bridge.

DUMBO Flea Market #JojoemNY #tênisbrancobombando #pernabronzeada

A photo posted by Jojo (@mourajo) on

No fim de semana, todo domingo, rola por lá a DUMBO Flea Market, uma feirinha de antiguidades muito charmosa, com opções de comidinhas e bebidinhas. Uma das coisas mais legais é a localização da feirinha, num túnel lindo. Coisa delicinha mesmo.

6. COSME

Cês também são viciadas na série Chef’s Table do Netflix? Eu sou meio viciada em séries de comida, mas o Chef’s Table realmente mora no coração. Portanto, não é de se espantar que, assim que a segunda temporada estreou eu fui correndo pra ver.

Pois um dos chefs que aparece na segunda temporada é o Enrique Olvera, nome por trás do Pujol, restaurante incrível na Cidade do México que eu sou doidinha pra ir. Mas estamos falando de NY, né? Sorte a nossa que o Enrique abriu recentemente um novo restaurante justo onde? Em NY! Jojô não pensou duas vezes foi lá e reservou uma mesa.

O Cosme é apenas sensacional. Um restaurante que pega tradições da culinária mexicana e dá um twist todo novo na história, mas sempre respeitando suas origens. Tudo no cardápio é feito pra compartilhar, portanto, vá com amigos e aproveite pra provar o máximo de coisas possível!

7. WASHINGTON SQUARE PARK

Quando você pensa em NY qual é uma das primeiras coisas que vem na cabeça? Central Park?

Eu amo o Central Park. Acho incrível que NY tenha um parque tão enorme e maravilhoso como ele bem ali no coração da cidade.

Mas nada como sair pela cidade descobrindo novos cantinhos né? Foi nessas andanças que dei de cara com o Washington Square Park, um parque menorzinho, mas muito, muito charmoso. Com uma fonte bem no meio e um arco a la Arco do Triunfo bem na entrada, o lugar é um oásis no meio de Greenwich Village, em Downtown NY.

Eu amei sentar num banquinho entre as flores, refrescar os pés na fonte e ver as crianças brincando na água, enquanto ouvia o som dos inúmeros músicos que tocam por lá durante o dia.

8. BURGER JOINT DO LE PARKER MERIDIEN

Você entra num hotel todo chique, aquele saguão enorme, pé direito altérrimo, tudo limpo, polido, educado. Aí, num cantinho você vê uma fila pequena saindo por detrás de uma cortina. Vou lá pra dar uma olhadinha e descubro que, surpreendentemente, estou no lugar certo. Um pequeno neon no formato de um hamburger me indica que, sim, chegamos no Burger Joint.

Deliciosidades à direita. 🍔❤️

A photo posted by Jojo (@mourajo) on

Ao passar pela cortina parece que você é transportado pra outro lugar, uma lanchonete pequena e cheia de originalidade, meio tosca, meio zoneada, mas com um cheirinho que entrega logo: estamos prestes a experimentar um dos melhores hamburgers da cidade.

Tudo muito informal, cardápio pequeno, você pede no balcão e come numa das mesinhas ao redor. Vale cada minuto na fila. Vale cada caloria ingerida.

9. REFORMATION

Não falamos de compras, né? É porque eu não fiz compras em NY. Fiz questão de não perder muito tempo passeando em lojas e foquei em perambular pela cidade.

Mas foi numa dessas perambulações que eu dei de cara com a Reformation, uma das marcas que eu mais admiro hoje em dia. Eles são a maior prova de que dá pra criar uma marca de roupa moderna, de boa qualidade e com design impecável apostando em processos sustentáveis.

Eu só conhecia eles pela internet (e já morria de amores), mas fiquei feliz da vida em entrar na loja no Soho e ver que o produto é tão lindo e incrível ao vivo quanto nas fotos do e-commerce. O mais legal? Em cada etiqueta, uma historinha sobre o que faz daquele produto mais sustentável.

O preço, infelizmente, ainda é alto. Mas, cada vez mais, eu acredito que vale comprar menos e acreditar em marcas mais justas. E, mesmo se não for pra comprar, dar uma voltinha na loja, se inspirar com o estilo das peças e ler as etiquetas e já é um programinha bem legal.

10. MAGNOLIA BAKERY

Pra finalizar, eu me permito um clichézinho: um pulinho na Magnolia Bakery. Não tem jeito, NY sem um pulinho na Magnolia não tem graça.

Alegria em forma de cupcake. #JojoemNY

A photo posted by Jojo (@mourajo) on

  • Michelle Góes

    Jojo, que programas mais delícias!
    Se me permite dar uma ideia, poderia fazer um post desse sobre o Rio? Vi que você esteve por lá e vou viajar para lá em outubro, pela primeira vez. Com todas essas ondas de notícias ruins sobre a cidade em questão das Olimpíadas, estou meio que receosa sobre a viagem. Poderia clarear as ideias e dar umas dicas legais?

    Amo seu blog! Bjo!

    • Jojo

      Dá uma olhada nesse post aqui, Mi: http://uasz.com.br/2013/10/o-meu-guia-pequeno-do-rio.html Espero que ajude.

    • Siloan Lima

      Oi Michelle, sou moradora do Rio e vou te dar umas dicas fora dos clichês… Ok, Pão de Açúcar e Cristo são lindos e obrigatórios, mas caros e vc perde um tempo na fila. Então vou falar dos programas mais fora. Vc pode passar na CAL, casa de artes de Laranjeiras, um casarão lindo com um café gostoso e com um jardim fresco. Parque Lage, que também é um casarão antigo com café maravilhoso mas tem exposições ótimas. Instituto Moreira Sales, fica lá no final da Gávea e é um casarão projetado pelo Oscar Niemayer com exposições de arte moderna. Mas passear nos jardins e ver a arquitetura é o que vale. Circuito Centro: clichê mas vale cada andar.. vc começa na Praça XV e pode se informar na internet sobre os passeios de barco que saem dali pra conhecer a Baía de Guanabara. Depois da um pulo no Paço Imperial e CCBB. Estica um pouco mais e chega na nova Praça Mauá. Saindo fora do eixo Centro – Zona Sul, vc pode atravessar a ponte e comer no mercado de peixe em Niterói e depois ir aos fortes: fortaleza de Santa Cruz e de Jurujuba que tem vistas maravilhosas. Em Niterói também há o MAC que foi reaberto recentemente e tem exposições bem legais. E vindo pra zona oeste do Rio, ir a Prainha e Grumari são passeios imperdíveis, e dá pra dar uma esticada até Barra de Guaratiba comer frutos do mar nos restaurantes da região. Se vc gosta de pedras, pode visitar o LEGEP, mais conhecido como shopping das pedras que vc encontra de todos os tipos, das brutas as lapidadas, em jóias etc… Bem é isso! Aproveite sua visita

      • Bruna Stamato

        Super legais as dicas! Só uma comentário: o casarão do Moreira Salles não foi projetado pelo Niemeyer, mas sim pelo Olavo Redig de Campos. E super vale a visita!!! Bjo

  • juliana

    Jojo, acabei de ver esse post lindo sobre NY (super atrasada, eu sei!) e que delícia! Posso dar uma sugestão? Da próxima vez que estiver na cidade, volte à Washington Square Park se for época de aulas – fica com uma vibe bem diferente com os alunos de NYU lotando a praça pra comer (se não estiver frio, claro!). E visite também o campus de Columbia, totalmente diferente mas igualmente bonito! :*