10 motivos pra conhecer e se apaixonar por Marrakesh
21 de novembro de 2017 POR Jojo COMENTA AQUI!

Bora falar de Marrocos?

Quem acompanha a minha vidinha lá no Insta já tá sabendo que eu passei três dias absolutamente incríveis em Marrakesh. Confesso que foi um sonho realizado poder conhecer aquela terra. Eu amo viagens que me permitem entrar em contato com uma cultura muito diferente da minha, especialmente porque elas fazem a gente realmente entender que não existe um jeito “certo” de viver. Cada cultura traz pontos de vista e interpretações diferentes do mundo igualmente válidas e ricas e entrar em contato com elas torna a gente mais empática e generosa com o outro e com as nossas diferenças.

Dito isso, preciso dizer um troço pra vocês. Peraí que vai ser em caps pra todo mundo prestar atenção. Preparadas?

MARRAKESH É F%$A.

Sérião. A cidade superou muito as minhas expectativas. E  é por isso que eu queria muito escrever esse post. Pra dizer pra você que sempre sonhou ir pro Marrocos: Vá. Vai ser muito melhor do que você imaginava. E pra você que nunca sonhou em ir eu digo: “Vá também. Vai ser uma experiência incomparável e surpreendente em todos os sentidos.”

Dito isso, bora aos motivos que me levam a recomendar que você comece a planejar djá a sua viagem pra Marrakesh?

1. SE HOSPEDAR NUM RIAD

A primeira coisa que a gente teve que decidir depois de comprar as passagens pra Marrakesh foi onde ficar. Pra quem não conhece Marrakesh, é importante mencionar que a cidade praticamente se divide em duas. Uma é a Medina, a parte mais antiga, fundada em 1070 e que hoje é considerada patrimônio mundial da UNESCO. Como a Medina é muito antiga, as ruazinhas são super estreitas, o que não permite que circulem carros lá por dentro. A outra é a cidade nova, moderna, com grandes avenidas e onde fica a maior parte dos grandes hotéis.

A gente queria ficar dentro da Medina, especialmente porque é a parte mais diferente de Marrakesh e onde estão localizadas quase todas as atrações turísticas da cidade. Essa decisão já eliminava completamente a possibilidade da gente ficar num hotelzão moderno.

Dentro da Medina, o tipo de hospedagem mais comum são os Riads, casas antigas enormes, caracterizadas por um pátio central onde geralmente fica uma fonte e um jardim. Atualmente, por serem muito grandes para serem usados como residências particulares, a maior parte dos Riads foram transformados em hotéis.

Basta dar um Google ou entrar num desses sites de hospedagem (tipo o booking.com) pra ver a quantidade de opções de riads disponíveis dentro da Medina. Um mais lindo que o outro.

Depois de muita pesquisa atrás de um que coubesse no bolso, fosse fofo e tivesse boas avaliações, a gente acabou escolhendo o Riad Melhoun e eu nem tenho como dizer o quanto essa escolha foi acertada. O Melhoun é um oasis de tranquilidade na Medina. Lá dentro a gente só ouve silêncio e esquece a confusão da Medina lá fora.

UASZ_Marrocos_1

A decoração é de babar de linda, cada detalhe cuidadosamente escolhido pra dar um ar tradicional e ao mesmo tempo contemporâneo aos ambientes. Os quartos não são grandes, mas são super confortáveis (cama ótima!) e bem limpinhos. O café da manhã é servido no terraço no topo do prédio e é de uma abundância que não é fácil de encontrar por aí. Teve panquequinha tradicional marroquina, pães maravilhosos e uma rabanada que eu tô desejando até agora.

UASZ_Marrocos_2

Mas o mais legal do Melhoun foi o carinho e atenção do Mohamed (gerente do hotel) e sua equipe. Nem tenho como descrever o quanto eles foram queridos com a gente. O Mohamed ajudou a montar toda a nossa programação na cidade, indicou restaurantes e recomendou a melhor hora pra ir nos museus e não pegar fila.

Recomendo demais o Melhoun, mas mais do que isso, recomendo a experiência de fugir de um hotel moderno e apostar numa hospedagem mais tradicional, na Medina, num Riad. E rende cada foto linda pro Instagram que vou te contar!

Processed with VSCO with c1 preset

2. PASSEAR PELOS SOUKS

Segunda dica desse post que mal começou e já tá gigantesco: chegou em Marrakesh? Largue as malas no seu Riad e vá bater perna num souk. Os souks são mercados ou bazares super comuns em cidades árabes. Dentro da Medina você vai encontrar vários souks diferentes vendendo de um tudo. Tapetes, luminárias, temperos, bijuterias, bolsas, além de produtos que você provavelmente nunca viu na vida. As minhas barracas favoritas eram as de especiarias, sempre um festival de cores e cheiros que despertam o interesse de quem passa.

Processed with VSCO with c1 preset

Os vendedores podem ser um tanto insistentes, mas é bacana, pelo menos uma vez durante a viagem, dar uma trela e ouvir eles falarem sobre esses produtos mais diferentões. Descobri que tem uma pedra que eles usam como desodorante e pós barba e um pigmento natural que as mulheres usam como batom e blush. Tudo natural, tudo sem embalagem plástica, tudo feito da mesma forma há centenas de anos.

3. ENTRAR NAS LOJINHAS

Fora os souks, a Medina esconde em suas vielas, centenas de lojinhas super charmosas. Algumas são bem antigas e tradicionais, como a lojinha de sapatos que ficava bem pertinho do nosso hotel, em que um senhor faz todos os sapatos à mão usando palha como principal matéria prima. Os sapatos são um ESCÂNDALO de lindos. Achei a loja por coincidência, só porque era pertinho do hotel e a gente sempre passava na frente. No dia antes de ir embora, resolvi entrar pra provar e fiquei apaixonada pela qualidade, criatividade e acabamento. Conversando com uma outra cliente francesa que tava lá na loja, descobri que era a terceira vez dela em Marrakesh e ela sempre fazia questão de dar uma passada por ali. Ela comentou que o primeiro sapato que ela levou pra casa foi há seis anos e ainda tá lindão. Resultado: perdi a noção e acabei levando três pares pra casa. Pra quem quiser dar um pulinho por lá, a loja fica na Rue Riad Zitoun el Jdid do outro lado da rua do Hamann Ziani.

Mas nem só de lojas super tradicionais vive Marrakesh. A MAX & JAN é um belo exemplo de modernidade dentro da Medina. A marca foi criada por uma dupla de designers, um suíço e o outro belga, apaixonados pelo Marrocos. A loja super moderninha é uma espécie de multimarcas focada em designers marroquinos (e me rendeu um quimono super lindo que mostro pra vocês em breve).

4. COMER A COMIDA E TOMAR O CHÁ

Bora falar de comida? Pense num lugar bom pra comer. É Marrakesh. Ainda mais se você curte uma comida com bastante sabor e temperos diferentes.

O tajine talvez seja a melhor materialização disso. Um prato típico cujo nome vem da panela de barro onde o prato é preparado e servido. Não à toa, a gente comeu tajine todos os dias da viagem. Entonces, vamos direto aos nossos restaurantes favoritos?

MELHOR COMIDA: Nomad foi nosso preferido dos três dias que passamos em Marrakesh. Num dia bonito, a minha recomendação é tentar pegar uma mesa no terraço que é um charme e tem uma vista super linda da cidade. A comida é espetacular. O tajine é INCRÍVEL e o couscous marroquino é de outro mundo. Vale pedir vários pratos diferentes pra dividir e todo mundo poder provar mais coisinhas.

UASZ_Marrocos_6

SUPER TRADICIONAL: o Dar Essalam não só parece cenário de filme, como já foi cenário de filme. Mais precisamente, o restaurante foi palco de uma das cenas do filme “O Homem que sabia demais” do Alfred Hitchcock. A comida não é nada demais, mas o ambiente compensa muito e faz valer a visita.

Processed with VSCO with c1 preset

AMBIENTE MAIS INCRÍVEL: o Le Jardin combina comida incrível e ambiente impecável. O restaurante com decor toda em verde, fica num pátio fechado com mesinhas salpicadas entre as árvores. O meu prato parecia um estrogonofe e o maridão pediu um tajine de almondegas, tudo maravilhoso.

UASZ_Marrocos_7

Ah! E pra finalizar qualquer refeição, vale pedir o tradicional chá de hortelã marroquino!

5. VISITAR OS PALÁCIOS

A Medina é recheada de palácios de diversas épocas da cidade. A gente visitou dois deles e já foi suficiente pra entender a importância histórica dessa cidade.

Palais de la Bahia ficava bem pertinho do nosso hotel e não se chama Bahia por conta da minha terrinha. Bahia em árabe significa brilho, pureza. O Palais de la Bahia era um complexo de casas particulares, uma grudadinha na outra, de uma galera super abastada de Marrakesh lá pelos idos de 1800 e tanto. Cada casa tem o seu vão central com seu próprio jardim, um mais maravilhoso que o outro. As casas em si ainda conservam os mosaicos tradicionais do Marrocos, feitos em gesso, madeira, cobre e mármore e são encanto puro.

Processed with VSCO with c1 preset

O Palais El Badi é beeeem diferente. Pra começar, ele era um palácio meeesmo, bancado pelo Sultão Ahmad al-Mansur em 1578. Boa parte do que a gente vê hoje são ruínas da construção original, mas já dá pra ter uma boa ideia da magnitude do que era um dia foi o El Badi.

Processed with VSCO with c1 preset

6. PASSEAR PELOS JARDINS

À primeira vista, Marrakesh parece ser uma cidade inteirinha ocre, aquela cor meio marrom alaranjada que vem da argila. Os prédios, as calçadas, as casas, as ruas, tudo parece envolvido na mesma cor. Só quando você começa mesmo a explorar os cantinhos escondidos da Medina é que você se dá conta de que, sim, existe mais verde do que você imagina em Marrakesh.

Por essas e outras, um dos programas turísticos mais bacanas da cidade é ir conhecer seus famosos jardins. Muita gente fala do Le Jardin Secret, um jardim incrível no pátio interno de um palácio do século 19. Como ficamos só três dias na cidade, não deu tempo de ir nesse, mas já tá anotadinho aqui pra gente ir na próxima visita.

O que a gente conseguiu ir foi ao Jardin Majorelle, um dos lugares mais encantadores da cidade. O jardim leva o nome de seu idealizador, o pintor francês Jacques Majorelle. Em 1980 o jardim foi adquirido pelo Yves Saint Laurent e pelo Pierre Bergé que o salvaram de ser demolido e se tornar um prédio. Só consigo dizer que é um dos lugares mais lindos da cidade. Recomendo demais passar uma tarde por lá e terminar a visita no café do jardim, tomando um chazinho de hortelã.

Processed with VSCO with c1 preset

7. CONHECER O MUSEU YVES SAINT LAURENT

Muita gente não sabe, mas Yves Saint Laurent morou em Marrakesh. O estilista francês se apaixonou pela cidade na década de 60, quando passou uma temporada por lá pela primeira vez. Logo na primeira visita, ele e seu parceiro de vida Pierre Bergé conheceram o Jardin Majorelle e se apaixonaram pelo lugar.

A partir daí, o amor do casal pela cidade só cresceu.

O recém-inaugurado Museu Yves Saint Laurent presta homenagem a esse amor. Localizado no terreno anexo ao Jardin Majorelle, na rua que hoje também leva o nome do estilista, o museu foi um dos últimos projetos de Pierre Bergé, que dedicou anos de vida a criar a fundação Pierre Bergé – Yves Saint Laurent com o objetivo de preservar o legado criativo do estilista.

UASZ_Marrocos_12

O museu é uma pérola arquitetônica. Projetado pelo Studio KO, o prédio combina linhas retas e curvas, fazendo referência ao jeito que Yves Saint Laurent trabalhava os tecidos. Lá dentro, uma exposição fala da carreira do estilista e mostra alguns de seus vestidos mais icônicos, além de exibir exposições temporárias de outros artistas.

8. VISITAR O LA MAMOUNIA

O La Mamounia é um dos hotéis mais famosos de Marrakesh e já recebeu convidados ilustríssimos como Winston Churchill e Michael Jackson.

Apesar da gente não ter se hospedado lá (digamos que o preço da diária não era lá muito convidativo), tinhamos ouvido falar tanto na beleza do La Mamounia que resolvemos passar uma tarde por lá. Compramos um pacote de day use que incluía o uso das piscinas do hotel, uma refeição e um tratamento no spa.

UASZ_Marrocos_13

Valeu super a pena. O hotel é um luxo só, super lindo e a piscina e os jardins são lindos de viver. Se você não quiser pegar um pacote também dá pra ir lá só pra almoçar ou jantar em um dos restaurantes do hotel ou simplesmente pegar um drink no bar.

9. FAZER O HAMANN

O Hamann é um ritual super tradicional de purificação do corpo geralmente feito antes das preces. Tudo começa com  um tempinho na sauna. Depois uma moça vem te fazer uma esfoliação das boas e passa uma pasta de oliva e eucalipto no seu corpo que limpa a pele. Depois você entra no banho pra tirar a pasta e deita de novo numa mesa de mármore onde a mesma moça aplica uma argila no seu corpo pra acalmar a pele. Depois, banho de novo, tira a argila e, já bem limpinha, você vai pra um outro ambiente pra tomar um chazinho e meditar.

O ritual pode ser feito em casas públicas que você encontra pela Medina toda ou em hotéis e riads. A gente aproveitou que o pacote do La Mamounia incluía um tratamento no spa e fizemos o Hamann lá mesmo. Eu amei e super recomendo fazer uma vez na vida. É esquisitinho ter uma pessoa te dando banho? É. Mas é o tipo de coisa que, se você tá lá no Marrocos, vale super a experiência. E, de quebra, eu nunca senti a minha pele tão limpa na vida.

Processed with VSCO with c1 preset

10. VER O SOL NASCER NUM BALÃO

Bora terminar esse post gigaaaaaante com um dos meus momentos preferidos da viagem?

A gente viu o sol nascer num balão!

Preciso começar dizendo que eu tenho pavor de altura. Porém, eu tento não deixar esse medo me prevenir de viver experiências incríveis. Entonces, quando descobrimos que tinham algumas empresas que ofereciam um passeio de balão na cidade, eu engoli o choro, e topei embarcar na aventura.

Fechamos o passeio com a Marrakech by Air e ficamos super felizes com a escolha. Como a ideia era conseguir pegar o nascer do sol lá do alto, eles buscaram a gente no nosso hotel às 5 da matina. O trajeto de carro durou quase uma hora até chegarmos na locação da decolagem, um tiquinho fora de Marrakesh. O programa todo inclui um café da manhã leve antes da decolagem, uma hora de vôo no balão e um beeeelo café da manhã numa tenda super linda depois de pousar.

UASZ_Marrocos_15

A experiência de ver o balão ser inflado com o ar quente, subir na cestinha e sentir o balão sair do chão é uma experiência bem maluca. Sim, eu morri de medo durante uns 20 minutos e me perguntei inúmeras vezes o que é que eu tava fazendo ali. Mas foi incrível! Depois de meia hora lá em cima eu tava adorando o rolê todo, apreciando o nascer do sol e conseguindo até olhar (um pouquinho) pra baixo.

Processed with VSCO with c1 preset

É isso, minha gente!

Foi longo, mas foi bem completinho.

Espero que vocês tenham curtido as dicas e que elas tenham dado aquele incentivo extra pra que o seu próximo destino seja essa cidade incrível.

Você já foi e tem mais alguma dica de Marrakesh que não apareceu por aqui? Então não esquece de deixar o seu comentário aqui embaixo contanto ela pra gente!

 

  • annacamila

    Meu deeeeus! Quero ir agora!
    Que fotos lindas, que lugares lindos, que looks lindos!
    Só babando aqui…

    • Jojo

      Lindo, né? Marrakesh é um encanto!! Que bom que você gostou, Anna!

  • Flávia Carolina

    JoJo, posta foto dos sapatos depois…Bjs

    • Jojo

      Postoooo! Amanhã tem foto dos sapatinhos!

  • Camila Magalhães

    Amei todo o post JoJo! Obrigada por trazer dicas cheias de carinho e poesias em forma de imagens. Espero um dia poder conhecer Marrakesh!

    • Jojo

      Cami, que legal esse comentário! Fico muito feliz mesmo! E na torcida pra você ir lá ver essas belezuras de pertinho também!

  • Siloan Lima

    MARAVILHOSO, em caps lock também! beijo, tava sumida!

    • Jojo

      Tava, mas voltei Si! Que bom que você gostou!!!

  • Cristina Cardoso Alves

    Amei absolutamente cada letra (e foto) deste post! Obrigada!

    • Jojo

      Que delícia, Cristina! Fico feliz! Que venham as próximas viagens!

  • Shamya Azevedo

    Só quero te dizer que viajei contigo enquanto lia esse texto maravilhoso. Obrigada, Jojo!

    • Jojo

      Que legal, Shamya!!! Eu viajei de novo escrevendo! Tão bom reviver esses momentos né?

  • Gabi

    Eu AMO suas dicas, Jojo! Já segui recomendação de hoteis, de programas, e nunca falhou. Esse post está favoritado!!!

    • Jojo

      Que legal ler isso, Gabi!!! Fico feliz que você esteja aproveitando as dicas!

  • Mary Isadora

    #fuicomajo a Marakesh kkkkkkkkkk

    • Jojo

      Ahahahaha que bom!!!! Viajando juntas!

  • Cristiane Vasconcelos

    Oi, Jojo, suas fotos aparentam um ambiente bem “deserto” de pessoas, digamos assim. Lógico que tem uma produçãozinha por trás rs, mas como é o movimento de turistas por lá? Muito intenso por todos esses locais que visitou? Beijo e adorei a dica!!! #jáquero