Dia 1
3 de Março de 2011 POR Jojo COMENTA AQUI!

Assim como surgem todas as coisas que mudam as nossas vidas (olha eu pensando lá na frente), esse blog começa na merda.
Não, você não leu errado. A merda em seu sentido menos literal e mais amplo é, na verdade, a grande propulsora da evolução.
Tudo começou num belo dia de chuva em São Paulo. A merda vinha se alastrando de uma maneira sem precedentes: eu, prestes a ser despejada, sem um tostão no banco (aliás, azul é uma cor que não dá o ar da graça na minha conta há uns 2 anos) e uns 5 (talvez uns 10) quilinhos mais forte (forte?) do que a minha auto-estima gostaria.
E aí, né, minha gente, quando a necessidade de mudar surge o que a gente faz????????? Corta o cabelo. Been there, done that. Não resolve muito.
Então é hora de mudar de vida.
Está na hora de uma mocinha de 27 anos começar a investir em coisas mais importantes do que roupas (isso é questionável, mas tudo bem). Chega de dívidas parceladas no cartão de crédito! Matem a Becky Bloom que existe dentro de vocês! Viva as pessoas que tem caderneta de poupança!
Então tá. Combinado não sai caro, e, no meu caso, nem pode porque eu não tenho nem um tostão. Hoje começa o “Um ano sem Zara”: um aninho sem comprar nadinha. Zara, obviamente, é uma metonímia (alô, gramática-ca-ca-ca) para representar toda e qualquer loja de vestimenta.
E se, de quebra, nesse surto de força de vontade, a gente consegue perder uns quilinhos, mal não vai fazer, né, minha gente? Dieta djá!  Guarda o dinheiro da praça de alimentação também, meu povo!
Mas, não vamos misturar as coisas.  Esse é um blog de moda e sustentabilidade. Pô, viver do seu próprio armário durante um ano é o maior ato de desprendimento do mundo capitalista que uma mulher pode praticar.
Bem, mãos à obra, então, né? Vamos salvar o bolso, o mundo e o que vier pela frente!
P.S. Aos amigos céticos: eu sei. Vai ser difícil. Eu vou ter crises. E vou tremer e babar quando passar na frente de uma vitrine. Mas tenham fé em mim. Obrigada.