Dia 175
24 de agosto de 2011 POR Jojo COMENTA AQUI!

Eu queria começar o dia de hoje pedindo algumas desculpas. Eu parto do princípio de que, a partir do momento que eu resolvi criar esse blog, eu criei um compromisso com vocês. E esse compromisso passa por postar todos os dias, escrever coisas que façam sentido e responder os comentários e perguntinhas que vocês fazem. E eu adoro fazer isso! Mas, nas últimas semanas, eu andei meio atolada de trabalho e outras cositas que ocuparam o meu tempo. O resultado disso foram dias atrasados (o bendito e tão prometido dia 161 que ainda não veio), e comentários não respondidos. Bem, nada mais justo do que pedir desculpas pra vocês que sempre são tão queridas comigo. A segunda coisa é me comprometer mais uma vez em postar todos os dias e responder com assiduidade os comentários!

Nessa toada, vale lembrar que o blog também tem uma página no facebook (essa aqui) e um twitter (esse aqui). Não é nada, não é nada, eles acabam sendo mais dois caminhos em que a gente pode interagir (especialmente pras meninas que não conseguem comentar por aqui por problemas do próprio blogspot que a minha restrita cabecinha ainda falha em compreender).

Então, dito isto, vamos lá! Dia 175 (já tô na contagem regressiva pro dia 200! O tempo tá passando, Brasil!).

Preciso confessar que as minhas roupas de frio se acabaram (eu tenho poucas e a temperatura dessa cidade não sobre, ou seja, temos um problema). Hoje acabei tendo que sacar uma camisa hiper velha, que eu nunca tive coragem de usar mas ela era a única coisa de manga comprida que restava no meu armário (ok, tô sendo um pouco dramática mas a sensação era essa mesmo). Não sei porque, na hora que eu vesti na loja, ela pareceu um ótimo investimento. Cheguei em casa e me perguntei: “o que é que eu vou fazer com isso, Jesus amado?”. Aposto que todas vocês já passaram por isso.

Enfim, dois anos se passaram até que, um dia, eu olhei pra bichinha de um jeito diferente. Desde o dia em que eu tinha levado a coitada pra casa, eu sempre olhei pra ela como uma bata. E eu ODEIO bata (que me desculpem os hippies, bata não é aceitável). Bem, nesse dia, eu olhei pra ela, ela olhou pra mim e uma luz se acendeu entre nós. A bicha deixou de ser uma bata e virou uma camisa.

Não, eu não fiz nada com ela. Não cortei. Não costurei. Nada. A mudança foi simplesmente conceitual. Eu mudei a minha percepção sobre a coitada. E isso fez com que eu começasse a imaginar um milhão de jeitos de usá-la. Jeitos totalmente diferentes daqueles que eu usaria (ou, nesse caso, não usaria) se ela fosse uma bata.

Deu pra entender ou tô viajando demais?

Exemplo! Se ela fosse uma bata, eu usaria pra fora, com uma calça de cintura baixa. Bata se usa assim, né? Mas, sendo uma camisa, um mundo de possibilidades de cintura alta se abrem. Tipo o look de hoje:

A idéia foi uma coisa meio boho (casaco de couro, estampa de florzinhas calça boca larga), com uma pitadinha de nerd (maxi óculos de grau).

Então, c’est ça por hoje (ai, ando tão francesa…). Espero que tenham compreendido… e gostado.   🙂

Créditos de hoje:

Calça: Maria Bonita Extra
Camisa: Armadillo
Cinto: Marc by Marc Jacobs
Casaco: Animale
Sapato: Urban Outfitters
Bolsa: brechó em Buenos Aires
Óculos: camelô em Londres