Dia 200
18 de setembro de 2011 POR Jojo COMENTA AQUI!

Finalmente ele chegou. Duas centenas de dias. Duzentinhos. Achou pouco? Tenta contar de um até duzentos pra ver como demora!

Como hoje é um dia muito importante, eu passei semanas pensando no que poderia fazer para comemorá-lo. Como vocês sabem, eu (que não sou boba nem nada) guardo algumas peças chave pra ter sempre umas surpresinhas pra mostrar pra vocês e esse blog nunca cair na mesmice.

Pois bem. Tem uma peça ultra especial que eu estava guardando há meses. Trata-se de, nada mais nada menos, do que a saia que eu usei na minha festa de 15 anos. Quinze anos!!!!!

Vamos à história da bichinha.

A bendita foi adquirida, obviamente, para a ocasião da minha festa de 15 anos. Na época, eu queria uma coisa que fosse princesa mas ao mesmo tempo moderninha. Não queria de jeito nenhum um vestido porque achava que ía acabar usando uma vez e nunca mais. Acabei optanto por uma saiona bem rodada de cetim prateada e um corpete de seda bordado. A idéia deu certo e eu usei o corpete várias vezes depois em outras ocasiões. Mas a saia, coitada, nunca arrumou um evento para dar o seu ar da graça.

Eis que o tempo passou, eu me mudei duas vezes de cidade e a saia foi ficando pra trás, perdida no tempo e no espaço.

Anos depois, cá estou eu escrevendo um blog sobre moda (e precisando de todas as pecinhas que já passaram pela minha vida), quando me lembrei da saudosa saia.

Imediatamente, liguei pra coitada da minha mãe. Que ligou pra coitada da minha segunda mãe (a minha ex babá). Que obviamente não sabia onde a tal saia tinha ido parar.

Me conformei e coloquei a saia de volta no lugarzinho do meu cérebro onde estão as outras coisas que eu amo mas nunca mais vou ver de novo.

Eis que, um mês depois, chega um pacote pelo Sedex aqui na minha casa em São Paulo. Abri e dei de cara com a tal da saia. Me olhando. Exatamente como ela estava há 12 anos. Até as manchinhas conquistadas na badalação da festa ainda estavam lá (não que ela não tivesse sido lavada durante todo esse tempo, é que a folia foi pesada mesmo e marcou para toda a vida a famosa saia).

E, assim, chegamos aqui. Guardei a bichinha para um dia como hoje. Um dia de conquista, tal qual o dia dos meus 15 aninhos.

Mas, para ressuscitar a minha saiona, era preciso rejuvenescê-la, torná-la atual, urbana e mais adulta. A saia precisava evoluir, assim como eu. Se antes ela vestiu uma menininha magrinha de 15 anos, agora ela veste uma mulher mais encorpada (achei encorpada a melhor palavra pra minha auto-estima) e (teoricamente) mais madura.

Pra começar a refletir tudo isso, toda essa passagem do tempo, resolvi que a saia precisava ser mais usável. Menos princesa. Menos festa. Pra isso, nada melhor do que camiseta velha.

A bicha é ou não é linda?

Mas ainda assim, o esquema ainda era muito princesa. E se a gente colocasse uns óculos escuros nessa brincadeira?

Dá ou não dá uma desformalizada?

Mas eu resolvi ousar um pouquinho mais. Afinal, quem lê o blog sabe que “contraste” é praticamente o meu nome do meio. Então, que tal uma….. jaqueta de couro?

E, já que a gente resolveu enfiar o pé jaca pegada mais rebelde, resolvi que o cabelo merecia seguir a linha da princesinha. Eu já tava doida pra testar o coque rosquinha com a minha nova franja e hoje foi a oportunidade ideal. Eu fiz ele igualzinho ao vídeo que postei aqui. A única diferença foi separar a franja na frente na hora de fazer o rabo-de-cavalo.

Por fim, andaram me perguntando porque eu não uso muitos acessórios. A primeira resposta é porque eu não tenho muitos mesmo. A segunda é porque eu não gosto de enfiar muita coisa no look. Prefiro um toquezinho de uma coisa que seja incrível ao invés de 15 coisas mais ou menos.

Agora, o momento que não podia faltar. Não tem como vir aqui, falar, falar, falar sobre a bendita saia de debutante sem mostrar nem uma fotinho de quando ela estreou no mundo. Eu estava lutando contra esse momento, mas eu sei que preciso compartilhar isso com vocês. Então aqui vai:

Agora pode falar: isso que eu chamo de melhor com o tempo! (não me perguntem o que me deu na cabeça – literalmente – pra resolver usar esse cabelo de baby liss, eu não tenho uma explicação razoável pra isso).

Bem, as décadas mudaram, a moda mudou, eu mudei. Mas a saia continua a mesma. E essa é a maior prova de que, quando a gente quer, a gente consegue mesmo tornar coisas antigas, mais atuais. Reciclar vestidos, saias, calças, ombreiras. Tudo é possível. Basta botar a criatividade pra funcionar. E é isso que esse blog tem me ensinado a cada dia.

Que venham mais 166.

Créditos de hoje:

Saia: da minha festa de 15 anos (eu não lembro de onde é)
Blusa: Maria Bonita Extra
Cinto: Marc by Marc Jacobs
Anel: presente do boy (desenhado por ele mesmo)
Sapato: Espaço Fashion
Óculos: www.bleudame.com

Tags: