Oooooooi, Topshop.
27 de junho de 2012 POR Jojo COMENTA AQUI!

Bem, people, sexta-feira passada foi um marco histórico pra toda e qualquer mocinha que curte uma boa rede de fast fashion.

Sim! A Topshop (rede inglesa de roupitchas hiper legais) acaba de abrir em São Paulo no, também recém inaugurado, Shopping JK Iguatemi.

Aí, já imaginando que, na sexta-feira, o negócio ía pegar fogo por lá, resolvi esperar até domingo, quando, teoricamente, as coisa estariam mais calmas.

Calmas só que ao contrário.

Cheguei no JK e já percebi que o negócio ía ser tenso. Uma fila de carros só pra entrar no shopping. Sorte que a gente (sim, eu e a Dani, minha fiel companheira de compras desde que a gente trabalhou juntas e almoçava rapidinho pra poder passar mais tempo dando uma volta no shopping. Sim, porque pra um evento desses não tem como ir sozinha, né? TEM QUE levar a amiga.) fomos de taxi e não enfrentamos fila no estacionamento nem nada.

Entrando no shopping, subimos até o segundo andar e, rapidamente, localizamos a mega loja (segundo informações que eu andei coletando aqui, a bichinha tem mais de 1.000m2 ). E, posso falar? Tá linda.

Dentro da loja, foi difícil manter o foco. Mãozinhas ágeis pegavam blusas e casacos antes mesmo dos olhos terem processado as informações. Numa brincadeira de “quem carrega mais coisas pro provador”. Brincadeira perigosa por sinal. Vai que tudo fica bom. E aí pra escolher?

Bem, uma meia hora depois, com metade da loja já nas minhas mãos, chega uma vendedora e oferece pra gente provar as roupas no espaço Personal Shopper. Quem ficou ligado nas notícias sobre a abertura da loja já sabe do que se trata. Bem, o Personal Shopper é um serviço gratuito em que você agenda hora com uma das stylist da loja e ela te ajuda a montar looks específicos para a sua necessidade. Por exemplo, se você tem um evento mais chique pra ir e não tem idéia do que usar, pode agendar um horário e a mocinha vai estar lá toda prosa te esperando pra dar altas dicas.

No nosso caso, foi sorte mesmo. Nessa primeira semana, eles pegam pessoas aleatórias da loja e oferecem o espaço pra pessoa experimentar as roupas. O legal? O ambiente do provador é bem maior que o de um provador normal. Dá pra você e a sua amiga experimentarem roupas juntas e uma ficar dando opinião na da outra (tem coisa melhor?) e, por fim, você tem um caixa exclusivo pra pagar as suas comprinhas sem entrar na fila do caixa normal. Ou seja: MA-MA-TA. E a gente ama, né?

Bem, falando sobre a coleção que embarcou em terras tupiniquins. Houve boatos de que eu tava na pior de que a coleção da Mary Katrantzou ía estrear (mesmo que em parte) por aqui. Mas eu não cheguei a ver nada (não sei se porque já tinha acabado – o que é bem provável – ou se porque não tinha chegado mesmo). De resto, tem coisas legais.

A paleta de cores tem muito flúor e neon, que vão bombar na primavera verão. Saias mullet (aquelas mais curtas na frente e mais compridas atrás também vieram com tudo. Mas, de maneira geral, tem pra todos os gostos: básico, tchutchuca, com muito brilho, sem muito brilho, mais clássico, mais modernete. Enfim.

Sobre os preços, confesso que achei que seria bem mais caros. Mas, para minha surpresa, a faixa de preços nivela bem com a da Zara (a briga entre essas duas vai ser boa mesmo, tanto que a loja da Zara no JK fica exatamente ao lado).

Mesmo assim, eu me segurei e comprei coisas que acho que posso usar já. Ou seja, peças mais invernais que vão ser úteis agorinha mesmo. Sim, eu sei que as lojas já tão com tudo trocando de coleções, mas eu, particularmente, não consigo nem pensar em verão com o inverno tendo acabado de dar as caras.

Então, vamos lá!

A minha primeira aquisição foi uma malhinha leve. Na verdade, a estampa foi o que me conquistou. Ví de longe e já sabia que ía ter que adquirir. Ela é inteirinho branco só com um desenho de uma arara. Tem coisa mais rede-inglesa-que-tá-vindo-pro-Brasil do que um tricô com uma arara? Amei. E, óbvio, é com ele o look do dia de hoje.

Acabei montando um look mais formalzinho pra trabalhar (daí a pantalona), mas, ao mesmo tempo, descontrído, gostoso e a cara do inverno brazuca. Mas a beleza da história é que a tal malhinha ainda renderá bons look, tantos quanto o colorido da arara permitir (e mais alguns, hehehe).

Bem, a pergunta que não quer calar: eu comprei só isso? Não, eu não fui tão caxias assim. Na cestinha de compras ainda entraram: um slipper e um maxi moleton. Mas isso a gente mostra amanhã.

Créditos de hoje:
Malhinha: Topshop
Calça: Asos
Anel: Accessorize
Sapato: Maria Bonita Extra
Óculos: brechó em Buenos Aires