Último (e melhor) dia em Berlim
5 de setembro de 2012 POR Jojo COMENTA AQUI!

Bem, people, queria dizer que estoy en Barcelona. Si! A minha viagem de férias continua e eu deixei pra trás a encantadora Berlim e vim abraçar as águas do Mediterrâneo! Porque ninguém merece vir pro verão Europeu e não pegar uma prainha sequer.

Mas, antes de falarmos de Barcelona, vamos falar sobre o último dia em Berlim? Preciso falar de Berlim simplesmente porque o último dia foi O DIA. Por que tem que ser sempre assim?

Bem, vamos a ele.

Desde que eu decidi vir pra Berlim nas minhas férias que eu botei na cabeça de que eu precisava passar pelo menos um domingo na cidade. Vários amigos extremamente confiáveis (pelo menos no que diz respeito à conselhos turísticos) tinham me alertado de que exatamente no domingo, e somente no domingo, rolava uma enrorme feita ao ar livre em Mauer Parc, seguida de shows de karaoke no gramadão logo ao lado.

Não preciso dizer que era o momento que eu estava loucamente ansiando durante toda a minha estadia em Berlim. E, como imaginei que o evento era super hype, não tinha como não pensar em um outfit igualmente exagerado.

Vamos começar a falar sobre o look pela calça? Ai, gente, porque ela é o meu maior novo xodó. Daqueles que a gente ama. Boa, bonita e baratex.

Pra completar o look modernete hipster  à altura dos eventos do dia, u acessório que eu ainda não sei definir o que é. Não sei se é um turbante, ou uma faixa, ou qualquer coisa no meio do caminho. Só sei que é muito legal. Uma faixa/tricô, turbante lindamente roxa. 🙂

Então, mudando de assunto, aqui vai a minha dica pra quando você viaja pensando em comprar. Eu particularmente tô num momento de comprar coisas pra casa e, como as coisas aqui realmente são mais baratas, eu sabia que ía acabar aproveitando todas as oportunidades pra deixar a casa mais completinha. Pra isso, é preciso ter espaço (ainda mais quando se está comprando coisas pra casa, né?). E espaço quer dizer MALA. E aí o que você faz? Compra uma mala a cada viagem? Não minha gente! Leva uma mala dentro da outra. Simples assim. Tenha uma mala grande e uma média. A média tem que poder caber dentro da maior pra você chegar com uma mala só e, a medida que for adquirindo cositas, vai colocando na outra. Uma regrinha na hora de comprar malas? Peso. Peso é tudo. Procure malas leves. Outra coisa? Quanto mais diferente a mala, melhor. Daí, quando chegar a hora de achar a sua na esteira, vai ficar bem mais fácil do que uma pretinha, igual a todas as outras.
Tá, mas estávamos falando do último dia em Berlim. E de todas as coisas legais nesse dia. Pra começar, pela manhã, como a feira só começava à tarde, resolvi fazer um programa bem família, bem turistão, daqueles que tem mesmo a cara do domingão: fui no zoológico.
Gente, vão no zoo de Berlim. É lindo, cheio de bichos legais e exóticos e lindos e tem tipo uns 200 anos. Tudo é muito legal. Desde o portão de entrada até cada um dos espaços destinados aos bichinhos.
E tem muito bicho! De todos os tipos, tamanhos e origens.
Agora, abre parêntese. Olha como essas fotos ficaram legais. Sério. Parece que eu tô colada no leão e eu tava longe pra dedéu (claro!).
Bem, depois do zoo, lá fui eu atrás da tal feira em Mauer Parc. Para quem não sabe (e eu não sabia) Mauer é Muro. Mauer Parc é o Parque do Muro, ou seja, um parque onde fica preservada uma parte do muro de Berlim. Os alemães tem esse senso de preservação da história muito forte. Especialmente pra lembrar de episódios que eles não querem mais que aconteça. O muro fica lá pra lembrá-los de não cometerem os mesmos erros. 
Entro no taxi e peço pro moço me levar pra lá. 10 minutos depois, estamos em Mauer Parc. Vejo o muro e…. mais nada. Pergunto ali na área se alguém sabe de um Flea Market que rola aos domingos. Mas o menino que estava tentando me ajudar tinha começado a trabalhar na região naquela semana. Sorte…
Resolvi andar um pouco mais. Explorar o parque e ver se encontrava alguma coisa. Fui andando, seguindo a rua. Até ver um moço bem hipster andando meio apressado. Resolvi seguir o moço e ver no qeu dava. A medida que fui andando, a quantidade de hipster foi aumentando. Até que, finalmente, apareceu um aglomerado de gente moderninha e eu tive certeza de que estava no lugar certo.
Sério, essa feira é a coisa mais legal da vida. Primeiro porque vende absolutamente tudo. Sério. Desde bolsas e roupas de segunda mão, até jóias novas de designers que tão começando, passando por discos, máquinas fotográficas antigas, móveis, utensílios. Eu falei TUDO.
Vários corredores de banquinhas enfileiradas e gente passando de um lado pro outro. Entre uma e outra por vezes você encontra umas pracinhas com uns stands de comida e bebida. Tudo pra comer com a mão enquanto você desbrava o local.
Daí, quando você acha que não dá pra ficar melhor. Fica. 
Do ladinho dessa grande feira, rola um mega gramado onde as pessoas estendem suas cangas e ficam batendo papo, tomando cerveja, comendo alguma coisa. Se fosse só isso já seria bacana. Mas, no meio do gramadão, rola um pequeno anfiteatro improvisado que abriga, todo domingo, um festival de karaoke. Sério, é das coisas mais legais que eu já ví. 
Gente de todo tipo sobre no palquinho de pedra pra cantar todo tipo de música. Teve uma menininha de uns 8 aninhos que cantou “Ai se eu te pego”!
Ai, deu até uma saudadinha de Berlim já. Mas já já a gente volta.
Créditos:
Calça: H&M (gente! Ela custou 9 euros!)
Blusa: American Apparel
Jaqueta: Mango
Turbante: H&M
Sapato: Sollas