Moleton de tigre: pirataria ou democratização
11 de julho de 2013 POR Jojo COMENTA AQUI!
No outono/inverno de 2012 (em dias de fast fashion, traduza 2012 como “há uma eternidade”), a Kenzo desfilou pelas passarelas modelitos de moleton bordados com um tigre colorido e o nome da marca grandão bem na boca do bicho.

Com versões em tricô e moleton, o tigre era uma tentativa de criar uma noa iconografia para a marca que há anos ía muito mais pro lado das flores (lembram do perfume “Flower, by Kenzo”?).

O tal moleton foi, na verdade, ideia de Humberto Leon (designer da marca junto com sua parceira de longa data Carol Lim – os dois são também donos na ultra cool Opening Ceremony), tudo porque ele queria um moleton exatamente assim para usar na entrada final do desfile. Acabou mandando produzir alguns pra ele e para as modelos e se viu surpresíssimo quando os pedidos das lojas começaram a chegar pedindo justamente a peça.

Da passarela para as revistas foi um pulo. Capa e editoriais de moda ao redor do mundo incluíram o novo tigre asiático na lista de must have’s de fashionistas nos quatro cantos.

Daí para o corpitcho das blogueiras de moda também não demorou. Na temporada de moda seguinte, a cor que mais se via em blogues de streetstyle era o verde be Kenzo estampado em mulheres magras e com cara de bem-nascidas desfilando alegremente o melhor estilo hi-lo (agora você imagina a frustração da criatura toda montada, que conseguiu comprar – ou ganhar – o seu moleton mais it da estação e chega no desfile pra ver a culega com um igual? Aposto que rolou barraco fashion em algum momento).

Ok. Corta. Isso já faz um tempito. Por que que eu tô falando disso agora?Ah! Lembrei. Tarra eu lá no Japão e entro na H&M. Primeira coisa que eu vejo? Um moleton de tigre. Ok, desde a década de 80 que tigre e moleton andam juntos. Mas as semelhanças entre o moleton H&M e o moleton Kenzo vão muito além da coincidência. Continuei a minha volta na loja e deixei pra lá.

Corta de novo. Semana passada. Voltinha semanal pela Zara pra saber o que tá rolando. Dou de cara com, não 1, não 2, mas 3 moletons de tigre. Diga agora comigo: 1 tigre, dois tigres, três tigres.

Pra vocês entenderem do que eu tô falando, olha só:

Pois bem. Quem sou eu pra julgar. Na verdade, não tenho uma opinião formada sobre o assunto. Por um lado, acho surreal que as marcas copiem alguma coisa tão descaradamente. E fico pensando até no designer que está por trás do modelinho da Zara ou da H&M (ou de centenas de outras que devem ter copiado) que, coitado, não consegue pôr a sua criatividade em prática porque só tá copiando mais ou menos uma coisa que um outro cara criou.

Mas, por outro lado, não é baseado nisso que as marcas de fast fashion existem? E não é essa a base a democratização da moda?

Sei lá, sempre fico nessa dúvida. Do mesmo jeito que fico em cima do muro sobre o quanto seguir a moda e o quanto deixar a moda te seguir e desencanar um pouco. Se você for pensar, a palavra “seguir” já é malvada, né? Significa que você está sempre atrás da moda e nunca na frente dela.

Enfim… Voltemos ao moleton (como vocês podem ver, ando pensando muito nele). A minha leitura dessa coisa toda? Eu amo moleton. Acho eles quentinhos, confortáveis, esportivos e cheios de possibilidades. Por isso, eu uso e fiquei feliz em saber que eles estão com tudo (obrigada Kenzo). Por outro lado, não me fascina muito essa coisa de todo mundo usar a mesma estampa (eu ía ser daquelas #chatiadas com o fato de ter mais uma mulherada com o mesmo moleton que eu no desfile).

Foi partindo disso que montei o look de hoje: dando um like pro moleton e um outro like pra uma estampa geométrica e colorida, longe de qualquer animal selvagem.

E, como o moleton é deveras informal e esportivo, complementei o bichinho com uma saia de plumas bicolor. Upgrade de glamour imediato.

O cabelo de trancinhas e o óculos prateado deram bons complementos por conta de ser um look pro dia.

É isso, gente. E vocês? Acham o que dessa história de copiar coisas de marcas grandes e fortes? Pirataria ou democratização? Conta aí, minha gente!

Créditos:

Saia: Zara
Moleton: Topshop
Relógio: brechó em Buenos Aires
Óculos: Zara
Sapatos: Arezzo