Todo o potencial de um final de semana
30 de Abril de 2014 POR Jojo COMENTA AQUI!
Eu não vou fingir que esse é um post de moda. Se me permitem a ousadia, acho que vou começar falando que esse é um post de vida.Há exatamente um mês, eu escrevi um post aqui no blog que intitulado: “Por mais finais de semana sem looks” e fico feliz que estou escrevendo mais um desses agora. Então, posso elocubrar um pouquinho sobre isso?

Semana passada, como vocês bem sabem, eu tirei uma semaninha de folga. Aproveitei pra fazer aquelas coisas que a gente nunca tem tempo de fazer enquanto tá trabalhando. Arrumar o armário, botar o Imposto de Renda em dia, ver 3 temporadas de Girls. Essas bobagens. Mas daí chegou sexta e eu arrumei as malas, esperei o boy sair do trabalho e pegamos a estrada rumo à Chapada dos Veadeiros.

Na verdade, fomos pra Brasília, dormimos lá de sexta pra sábado, num hotelzinho do lado do aeroporto e, no sábado de manhã, alugamos um carro e fomos pra São Jorge, uma vila bem na boca do Parque da Chapada.

Foram dois dias e meio (como eu estava de férias, consegui esticar mais um diazinho e ficar lá na segunda), mas podiam ter sido dois tranquilamente. Dava pra ter ido passar o fim de semana e teria sido lindamente suficiente. Não que dê pra fazer tudo em um fim de semana. Dá pra ficar um mês naquele lugar conhecendo cada cantinho, cada cachoeira escondida. Mas dois dias teriam sido suficientes pra fazer qualquer um esquecer do trabalho, dos problemas e relaxar corpo e cabeça. Na verdade, nem precisava de dois dias, bastava mesmo olhar pro céu estrelado à noite, ou enfiar a cabeça debaixo de uma queda d’água bem gelada.

Daí que tudo isso me faz pensar nos finais de semana e no que a gente faz com eles. Pensa aí nos seus.
Agora pensa no que você faz neles. Talvez sejam mais ou menos sempre as mesmas coisas. Coisas boas, claro (vou partir do princípio de que, como é final de semana, qualquer coisa vai ser mais divertida do que trabalho). Agora pensa numa semana que tem 5 dias de trabalho e só dois de folga. É, minha gente. É uma equação bem injusta.

A questão é: com um pouquinho de organização dá pra fazer coisas incríveis em dois dias de fim de semana. A gente mora no Brasil. Já parou pra pensar nisso? Aposto que, não importa onde você more no Brasil, do ladinho, a menos de 3 horas de carro, tem algum lugar paradisíaco pra ir. APOSTO. Cê já foi? Encontrei um casal de Brasília lá na Chapada. Eles nunca tinham ido lá. Perguntei como que eles nunca tinham ido se era tão pertinho. Eles responderam que sempre iam empurrando pra frente. Aposto que, depois dessa ida, eles não vão mais empurrar.

E o bom de viagem de fim de semana é que não precisa gastar muito. Dá pra ir pra pertinho de ônibus. Dá pra passar uma ou duas noites num albergue. Aliás, cês conhecem o Air BnB? É um site que você consegue alugar casas de pessoas por períodos curtinhos, pagando diária como se fosse hotel, só que mais baratinho.

Agora vamos falar da Chapada? É, porque foi lá que eu tive meu momento de epifania. E não foi à toa. Como não pensar na vida e em todas as coisas que o mundo tem pra mostrar pra gente num cenário assim:

 

E assim?

O legal de ir pra um lugar novo é que você se encanta com tudo. Com a Chapada foi assim. Eu nunca tinha visto o cerrado, achava que seria uma vegetação com cara de seca e com poucas cores. Mas, gente, como o cerrado tem flor! Eu nunca tinha comido pequi. E num é que fica bom no molhinho do risoto? Eu nunca tinha visto uma arara voando solta no céu, e descobri que elas voam em duplas e que são dos bichos mais monogâmicos da natureza, escolhem um araro pra chamar de seu e vivem com ele pro resto da vida (agora só chamo o namo de meu araro).

Ah, e sobre moda? Levei uma mala pequenininha. Dessas que nem precisa despachar. Com shortinhos, casacos e biquinis. E um tênis, claro. Levei também um vestido de manda comprida que usei os dias à noite que a gente saiu pra jantar. É, repeti porque não tava nem ligando mesmo. No segundo dia não usei make. A bochecha já tava meio rosinha de sol e eu tava feliz demais pra passar corretivo. E me achei linda como muitas vezes não acho quando tô toda emperequetada.

Agora se você quer ir pra lá, ficam aqui as minhas dicas:

– os vôos pra Brasília no fim de semana costumam ser bem baratinhos porque é como se você estivesse pegando o contra-fluxo.

– de abril a setembro, mais ou menos, é o período de seca. Eu adorei ir agora porque tinha bastante água, mas os dias foram só de sol.

– eu fiquei em São Jorge, uma micro vila logo na entrada do Parque. Muita gente fica em Alto Paraíso que é um pouco mais perto de Brasília e tem mais infraestrutura. Eu gostei muito de São Jorge, primeiro pelo clima de vila super gostoso e, segundo, porque realmente fica muito pertinho do parque.

– tem alojamento de todos os tamanhos e pra todos os bolsos, desde camping, passando por hostel, pousadas mais simples e outras mais charmosas. Eu fiquei numa bonitinha que cabia no meu bolso (fui num fim de semana comum, entre dois feriados, o que também deu uma barateada). Se chama Pousada Mundo dha Lua. Gostei de lá porque preencheu todos os meus requisitos básicos (ar-condicionado e chuveiro quente) e tinha um preço bom. A não ser que você esteja indo pra lá numa ocasião super especial, não acho que vale investir numa pousada super linda. Tem tanta coisa pra fazer nos arredores que você quase não vai ficar na pousada, eu garanto.

– pra comer (durante o dia): recomendo levar água (bastante) e lanchinhos pra dar uma energia durante as trilhas. Boa parte das vezes você vai passar o dia passeando entre uma cachoeira e outra e dá uma fome danada. Pra almoçar, tem um monte de restôs buffet ou à quilo com comidas caseiras bem honestas e que ficam abertos até o fim da tarde (o da Nenzinha em São Jorge é bem famoso). Recomendo também a Tapiocaria na Praça do Turista em Alto Paraíso.

– pra comer (à noite):

# Risoteria Santo Cerrado: ambiente lindo, com mesas baixinhas pra você sentar em almofadas no chão, comida delícia e música ao vivo na medida às sextas e sábados. Vale sentar na varanda e ficar vendo o céu estrelado.

# Restaurante da Pousada Casa das Flores: a pousada toda é linda e o restô tem pratos super bons (mas não é barato).

# Pizzaria Canto D’Ema: aos domingos tem karaokê de graça pro pessoal da comunidade. Diversão garantida e pizza boa de massa fina.

– tem um zilhão de passeios pra fazer. O que é legal é que tem opção pra todo tipo de disposição e preparo físico: caminhadas rapidinhas e planas de 300m até trilhas pesadas de 8Km. As que eu fiz e amei:

DIA 01:
# Loquinhas: uma série de cachoeiras pequenas muito gracinhas dentro de uma fazenda particular. Você paga 20 reais pra entrar, mas o caminho até as cachoeiras é muito lindo e fácil de fazer.

# Vale da Lua: a maneira com que a água foi esculpindo as pedras fez o lugar todo parecer um pouco com a superfície lunar, daí o nome do lugar. Caminhada leve também e banho delícia.

DIA 02:
# Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros: tem dois caminhos diferentes que dá pra fazer dentro do parque. A gente foi ver o Canyon 2 (são dois canyons, mas o 1 tava fechado) e as Cariocas. Lindo até dizer chega. Caminhada de 9Km (ida e volta) com algumas subidas e descidas no meio. Mas até o caminho vale a pena só pra prestar atenção na vegetação.

DIA 03:
# Almécegas e São Bento: ficam também numa propriedade particular: você paga 20 reais na entrada e tem acesso às 3 cachoeiras (Almécegas1, 2 e São Bento). O legal é que dá pra ir até bem perto delas de carro e fazer o resto do percurso à pé. A Almécegas 1 é, sem a menos dúvida, um dos 5 lugares mais lindos que eu já fui na vida. O mais legal é que a trilha permite que você veja a cachoeira de todos os ângulos: do alto de frente, lá de baixo dela e de cima. Ó ela de baixo aqui:

(é a mesma das fotos contemplativas lá de cima)

Bem, à essa altura do campeonato, ou vocês já encheram o saco de ler tanta rasgação de seda pra Chapada, ou tão doidos pra ir pra lá também. Espero que seja a segunda opção. Se for a primeira, espero que, pelo menos, tenha dado vontade de organizar alguma viagenzinha. Pra qualquer lugar mesmo. Tenho certeza de que vai ser ótima.

Ah, vou botar os créditos só pra quem quiser saber porque aparece a roupa nas fotos:

Maiô: Osklen
Short: Farm para Adidas
Casaco: Farm para Adidas