Sexta Casamenteira: a música da cerimônia
26 de dezembro de 2014 POR Jojo COMENTA AQUI!
E aí, minha gente? Passaram bem o Natal? Presentes, família, comilança, tudo que tem direito?O meu foi super gostoso e cheio de comida. Juro, acho que engordei uns 3 quilos em 3 dias.

Bem, cá estamos nós em uma nova sexta-feira. E, até fevereiro, sexta-feira é sinônimo de Sexta Casamenteira, o nosso dia semanal pra falar sobre amor, festa e tudo o que tem a ver com um dos dias mais especiais da vida.

Ao contrário das outras sextas, hoje não chamei ninguém pra me ajudar com o post. Eu escolhi o tema de hoje porque ele me emocionou muito durante os últimos dias e achei que valia compartilhar essa experiência por aqui.

Estou falando da escolha das músicas para a cerimônia. E, vou contar uma coisa pra vocês, que dificuldade que é escolher! Tem muita música linda no mundo e dá vontade de escolher todas. Fora isso, tem as que você gosta, as que o noivo gosta, as que vocês dois gostam mas que não combinam com as pessoas que vão entrar. Affe! E a emoção? Cada música que boto no youtube pra ver se tem a ver é uma choradeira. Já me vejo entrando com a tal música no fundo e desato a chorar.

Bem, depois de mais ou menos 15 dias de tantas emoções, como diria o nosso Rei Robertão, finalmente conseguimos fechar a lista e hoje eu tô aqui pra dividir algumas dicas que aprendi ao longo desses dias pra chegar na lista perfeita. Eu tentei formular 10, mas cheguei só em 7 mandamentos da musicalidade perfeita para a cerimônia. Vamos a eles?

1º mandamento: Antes de mais nada, entenda a sua cerimônia.

A música é um dos principais elementos para dar o tom a qualquer evento. Por isso, é super importante que a música acompanhe a ideia geral da sua cerimônia. Vai ser mais formal ou mais informar? Vai ser na praia, no campo, na cidade? Vai ser de dia ou de noite? Vai ser super séria ou mais descontraída? Na hora de começar a pensar nas músicas, é importante ter tudo isso muito claro na cabeça. Caso contrário, corre-se o risco de escolher músicas que não combinem com o evento de uma forma geral.

2º mandamento: Tenha em mãos o roteiro de entradas

Quantas entradas vai ter a cerimônia? Quantos padrinhos? Quantas crianças? Parentes adicionais especialíssimos? Padrasto ou madrasta ou ambos? Qual a ordem das entradas? Quem são as pessoas que vão entrar? São mais velhas, mais novas, mais tradicionais?

Claro que não há necessidade de escolher músicas só para agradar as pessoas que vão entrar, mas não custa nada ter clareza sobre quem elas são pra não escolher nada que não combine.

3º mandamento: Música ao vivo ou DJ?

Já ouvi muita gente dizer que música ao vivo deixa a cerimônia muito mais emocionante. Eu discordo totalmente. Já fui em cerimônias sem música ao vivo que me emocionaram profundamente e em outras com música ao vivo que achei super frias.

Pra mim, independente de ser ao vivo ou DJ, o que dá a emoção é escolher as músicas certas, que tem a ver com vocês e com o clima do evento.

No final das contas, a decisão entre um ou outro depende de dois fatores. O primeiro é o fator financeiro: contratar músicos para tocarem ao vivo, em geral, acaba sendo mais caro do que contratar um DJ.

O segundo fator é a versão que você quer das músicas que escolheu. Quer uma versão específica com a voz de um cantor específico? Então melhor ir com o DJ. Mas, se você prefere uma versão que ainda não foi feita, com um instrumento específico, por exemplo, daí a melhor opção talvez seja contratar os músicos para tocarem ao vivo.

4º mandamento: Todo estilo musical é permitido

Você gosta de axé? Rock? Sertanejo? Indie? Samba? Tudo isso junto? Não se preocupe. Tudo é permitido. Dá sim pra fazer uma cerimônia linda e emocionante cheia de músicas de gêneros musicais diferentes. O importante é encontrar versões dessas músicas que combinem com a sua cerimônia. Por exemplo, eu sou baiana e tem um monte de músicas de axé que me fazem lembrar da minha adolescência, da minha terra e que me emocionam mesmo. Uma delas é “Mimar você” da Timbalada (pra quem não sabe qual é, tá aqui ó). Eis que, no meio do processo de pesquisa das músicas, me deparo com essa versão aqui do Caetano:

Vê se não fica uma coisa linda essa música numa cerimônia?
Pois bem, só pra mostrar que você não precisa abandonar músicas que ama só porque o estilo musical não combina com a cerimônia. Tem um monte de versões diferentes de cada música na web pra você adaptar a música que você ama ao estilo que quer pro casório. (uma dica é buscar no Google o nome da música que você quer em versão acústica).

5º mandamento: O óbvio pode ser legal, mas fugir dele pode ser melhor ainda

Tem músicas que são praticamente clichês de casamentos. Todo mundo tem elas lá no imaginário e, quando a gente vai escolher as músicas do nosso, elas são as primeiras a pipocar na cabeça. Vinícius, Tom Jobim, Robertão. Esses aí são figurinhas carimbadas em praticamente todo casório. E não tem nada de errado nisso. São gênios que criaram obras primas que cantam o amor como poucos cantaram. E não tem quem não se emocione ao ouvir um “Como é grande o meu amor por você”.

A minha dica é: quando essas obras primas aparecerem na cabeça ali na primeira rodada de escolhas, não se satisfaça logo de cara com elas. Anote e deixe de lado um pouquinho. E continue a pesquisa. Você vai ver que, além delas, muita coisa legal ainda vai aparecer. E, talvez, essas outras músicas que surgirem, tenham muito mais a cara de vocês, do que aquelas primeiras. E são essas músicas que tem a cara de vocês que vão deixar a cerimônia ainda mais emocionante, mais inesquecível.

6º mandamento: Pesquise!

Tem muita música no mundo e você não vai conseguir lembrar de todas. Sites como Vagalume e Letras.mus.br são ferramentas essenciais nessa hora. Geralmente, os sites são organizados por artista. A minha sugestão é entrar em cada um dos artistas que você mais gosta e ir olhando música a música. Haja aba no explorer pra conseguir ver tudo, mas é impressionante como você acaba encontrando músicas que adora e nem lembrava que existiam.

7º mandamento: É pra emocionar!

Mesmo com todos os critérios que a gente falou aqui em cima, a probabilidade de chegar ao final do processo ainda com uma lista que precisa ser cortada é grande. Bem, o meu critério pra última linha de corte foi esse: colocamos cada uma das músicas pra tocar, fechamos os olhos e pensamos na cerimônia, em cada uma das pessoas entrando. Aquelas que encheram os meus olhos de lágrimas Os meus e os dele), são as que vão encher os nossos olhos de lágrimas lá em Búzios, dia 28 de fevereiro. Mas só conto quais foram elas depois do casório!