Essa maravilha libertadora que chamamos de “repetir roupa”
20 de Março de 2015 POR Jojo COMENTA AQUI!
Eu sou daquele tipo de pessoa que, quando se apaixona por uma música, ouve a bendita até saber e letra inteira de cor. Desde criança eu faço isso. Até hoje eu sei a trilha sonora da Bela e a Fera do começo ao fim (incluindo o prólogo).A verdade é que adoro repetir as coisas que me cativam. Ir no mesmo restaurante e pedir aquele prato de sempre, ir no mesmo ponto da praia e dar alô pro mesmo vendedor de coco, zapear a TV e parar naquele filme que já ví 15 vezes, mas que nunca fica velho. Adoro essa sensação gostosa e reconfortante do familiar, do certeiro, de que aquilo que já foi visto, experimentado e gostado, faz parte da construção do que você é.

Daí eu fico pensando: se repetir é tão gostoso, porque a gente cresce achando que repetir roupa é pecado capital da moda?

Lembro da minha adolescência, da época das festinhas de 15 anos. Aquele momento da vida em que corpo e cérebro são liquidificadores ligados cheios de hormônios que transbordam vergonha por todos os lados.  Fazendo uma conta rápida, numa turma de 42 alunos, 50% meninas fazendo 15 anos no mesmo ano, temos uma média de 1,75 festas por mês. Isso é roupa pra cacete. Então tinha que repetir. Não tinha esperneio nem chantagem emocional que adiantasse: quer ir pra todas? Tem que repetir roupa ou vai pelada. Eu ficava mor-ti-fi-ca-da. Dava meus jeitos. Passei a comprar saias e blusas ao invés de vestido. Só pra não repetir.

Quinze anos se passaram e os hormônios estão mais controlados (exceto durante certos períodos do mês), mas ainda vejo isso acontecendo demais por aí. Agora então que tô na fase da vida dos casamentos! Nem conto pra vocês a quantidade de “não tenho roupa” que eu ouço cotidianamente.

“Ué, mas e aquele lindo que você foi no casamento da fulana?”

“Ai, mas a galera é a mesma. Não dá pra repetir.”

E eu pergunto: POR QUE???????

Não sei quem colocou isso na cabeça da gente (ops, peraí, acho que sei), mas eu queria dizer que esse raciocínio não só é cruel demais (especialmente com meninas de 15 anos), como é absolutamente ESTÚPIDO. Um raciocínio criado pra que você use as coisas uma vez só e parta pra próxima.

Eu demorei bastante pra entender a maravilha que é gostar de repetir uma roupa. Gostar mesmo. Ficar orgulhosa de usar uma peça que eu amo de novo e de novo e de novo. Vocês não tem ideia de como isso é libertador.

Eu torço pra o dia em que a gente vai tratar uma peça de roupa como aquela música gostosa de ouvir, ou como aquela sobremesa que você não se cansa de pedir. E pra que as meninas de 15 anos de hoje queiram ser mais como a Princesa Kate e menos como a Kim Kardashian.

Bem, tudo isso pra dizer que hoje eu tava inspirada e que o look tem um monte de peça repetida. O quimono novo é, sem dúvida a letra que estou aprendendo a cantar, mas o look todo é um composé de peças usadas nesses últimos dias.

A calça de rica, nem se fala. Rainha da repetição e eu nunca me canso. Às vezes deixo guardadinha, mas, quando volta, volta com tudo.

(pense num ser que está amando ser esvoaçante)

Pra quem não viu os looks anteriores, ó só eles aqui:

Vamos repetir, gente! Faz bem e o bolso agradece!

Créditos:

Calça: American Apparel
Regata: C&A
Quimono: Kimonaria
Óculos: Zara
Sapato: Eva vs Maria