Uma cerimônia nos seus mínimos detalhes
13 de Março de 2015 POR Jojo COMENTA AQUI!
Eu ía fazer um post só sobre a decoração do casório, mas estava aqui selecionando as fotos que entrariam no post e, quando percebi, tinha tanta coisa que não daria pra falar sobre tudo de uma vez. Entonces, resolvi separar o assunto em dois pedaços (e, consequentemente, em dois posts), o primeiro sobre a decoração da cerimônia e o segundo sobre a decoração da festa (é bom que, assim, eu continuo falando do casamento por mais tempo e continuo matando a minha louca saudade desse dia).Bem, quando começamos a pensar nessa história de fazer uma festa de casamento, um monte de dúvidas apareceram: a gente quer um casamento grande ou pequeno? Quão grande? Quão pequeno? Onde? Em que cidade? Qual estilo? Como seria a cerimônia? Um casamento suscita tantas questões que, até você começar a ter respostas, já se passou um bom tempo (acho que é por isso que tem gente que demora anos entre ser pedida e efetivamente fazer a festa).

Mas, entre tantas perguntas, uma coisa era certa: ia ser na praia.

Eu cresci no mar, entre a Baía de Todos os Santos e a da Guanabara e, honestamente, com essas duas como parâmetro, não dava pra não se apaixonar por ele. E isso sempre foi uma das coisas em comum que que e o namo compartilhamos. Portanto, quando fomos escolher o lugar pra abrigar um dos dias mais importantes da nossa vida, essa era a nossa única certeza.

Como as nossas famílias e amigos são bem espalhados entre Rio, São Paulo e Bahia, queríamos um lugar que fosse convidativo pra todo mundo e relativamente fácil de chegar. Além disso, tinha que ser uma cidade que fizesse parte da nossa história e tivesse algum significado pra gente.

Búzios surgiu como a alternativa que atendia a todos os pré-requisitos.

Depois de visitar todos os lugares possíveis pra se casar em Búzios, a gente acabou escolhendo um que combinava tamanho ideal, custo-benefício e lindeza, numa tacada só. E fechamos cerimônia e festa, tudo no mesmo lugar.

Tudo isso pra dizer que, o primeiro passo pra decoração é escolher o lugar. E o nosso já era lindo por natureza, ó só.

Ok, tirando as lindezas naturais, a escolha do lugar também já nos deu ideias sobre qual seria o estilo do casamento. Era na beira da praia, no fim da tarde, então, não tinha como ser nada muito chique, nada muito formal. A gente queria uma cosia rústica, com carinha de feito à mão, coisas novas misturadas a coisas antigas e tudo com a nossa cara.

E foi aí que a Oh Lindeza entrou em cena (cês lembram que falei deles numa das Sextas Casamenteiras?). Eles pegaram esse lugar lindo e fizeram ele ter a nossa cara. Então, vamo falar um pouquinho mais sobre isso.

Uma coisa que me encantou no trabalho deles foi o cuidado com os mínimos detalhes. Do momento em que o convidado entrava pela pousada, ele já dava de cara com o clima do dia: romance, alegria, simplicidade. Um coração de flores dava as boas vindas e servia de moldura pro cenário da Praia da Tartaruga e um balanço, feito especialmente pro dia e decorado com flores de papel, foi palco de algumas das fotos mais gostosas do dia.

Aí, tinha a mesa das boas vindas. Como o casamento era às 4 da tarde e o sol ainda estaria cruel, a gente achou por bem, ter uma mesa pra recepcionar os convidados com água gelada e suquinhos refrescantes. Mas a Oh Lindeza foi lá e fez tudo isso ser mais fofo ainda. Cada jarra, cada garrafinha tinham etiquetas com a logo que eles desenvolveram especialmente pro casamento, com as nossas iniciais. Os potinhos, foram adesivados com o zigzag que permeou todo o casamento e os canudinhos foram escolhidos a dedo pra combinar com a paleta de cores da festa.

 

Daí você entra e encontra as cadeiras de madeira brancas e amarelas desenhando o caminho até o altar e, pendurado no ladinho de cada uma delas, um potinho (também estampado com o nosso zigzag) com orquídeas amarelas e chuvinha de prata. Tudo de uma delicadeza que até agora solto um “Ohn!” só de olhar.

Em cima de cada cadeira, um leque, pra aplacar o calor, e um saquinho de papel com arroz pra jogar nos noivos quando a cerimônia terminasse e o cortejo estivesse saindo (eu sou fã de arroz em casamento, acho que o efeito nas fotos fica tão lindo!).

Eis que você senta na cadeira e olha pra cima. Penduradas na árvore que cobre boa parte do espaço da cerimônia, você vê um monte de luminárias japonesas, umas brancas, outras pintadas à mão com as cores e estampas do casório (que estavam presentes desde o convite).

No altar, livros e arranjos de orquídeas, margaridas e suculentas. Tudo simples e do jeitinho que a gente sonhou.

Precisa dizer mais?