As peças mais antigas do armário: dia 01
29 de junho de 2015 POR Jojo COMENTA AQUI!
Com a mudança de país, me ví tendo que me desfazer de boa parte do meu armário. A gente abraçou uma nova vida aqui e a ideia era vir só com mala, sem cuia, e, pro bem ou pro mal, o limite eram 3.Vou confessar que não foi tão difícil. Venho praticando desapegos periódicos desde o ano sem Zara e a limpa da viagem pareceu ser mais uma lojinha do Enjoei (com o reforço de todos os objetos de decoração – esses sim, me deixaram de coração partido).

A verdade é que olho pro meu armário hoje e vejo escolhas mais conscientes e que refletem um estilo que diz muito sobre mim, sobre o meu momento na vida. A gente vai mudando, amadurecendo e a roupa é reflexo disso. Não à toa, muitas das peças que ficaram são mais novas, coisas de dois, três anos pra cá.

Mas, vasculhando o que sobrou da ponte aérea São Paulo – São Francisco, acho engraçado perceber quais são as peças Highlander. Aquelas que sobreviveram às intempéries do tempo e das minhas mudanças. Talvez até mais do que as peças novas, essas sim saibam bem falar de mim, de quem eu sou e do que vivi. Como amores ou amigos que cresceram junto com a gente entre tantos que ficaram pra trás simplesmente porque a vida levou pra lugares diferentes.

É só roupa, você vai me dizer. E eu te digo que não. Roupas que duram décadas com a gente são testamentos da nossa história. Por isso, pra reconhecer o valor dessas peças que ajudam a contar a minha história, essa semana vai ser temática. O tema: as peças mais antigas do armário.

A ideia é vasculhar tudo e encontrar aquelas peças que se pudessem falar teriam muitas coisas a dizer. As peças que, por um motivo ou outro, foram ficando. E mostrar que cada uma delas tem muito valor ainda hoje.

Pois bem! Teremos 7 dias, 7 peças antigas, 7 looks contemporâneos. Eu digo contemporâneos no sentido de que devem ser contemporâneos de mim e representar quem eu sou hoje. Porque não adianta nada guardar aquela saia por mais de dez anos se hoje em dia ela não tem mais nada a ver com você. Não! Nada de Toy Story do armário. Essa semana é sobre peças que sobreviveram ao tempo justamente porque são úteis e balançam o coração da gente até hoje.

Então vamos lá?

Eu já falei dessa saia várias vezes, inclusive, contei a história dela desde o comecinho nesse por aqui ó. Pode fazer as contas. Eu fui estagiária com 19 aninhos. Meus cabelos brancos não me deixam mentir. Lá se vão 12 anos. E a bichinha continua linda como quando eu comprei.

Confesso que a minha maior dificuldade hoje em dia é deixá-la menos menininha. Ela é florida e rodada e com cintura alta marcada, ou seja, fofura pura. Portanto, a ideia do look de hoje foi balancear essa doçura toda. Pra isso, juntei a saia com a uma camisetinha listrada PB. O contraste de estampas e de cores acabou dando essa quebrada que a saia precisava.

Pra equilibrar as formas, joguei por cima um casaco bem lady e feminino, porém com uma modelagem bem adulta. Os layers e recortes dão um aspecto mais moderno e trendy pra história, complementando bem o clima mais vintage da saia.

Por fim, nos pés, queria aproveitar pra dar um toque mais sexy no look. Nada como um saltão, certo? O tom de azul também ajudou a dar mais personalidade e adicionar um toque divertido e inusitado no look.

 

Dia 1 do nosso desafio das peças mais antigas do armário cumprido. E, aproveitando que ainda estamos no começo da semana, que tal separar um tempinho pra dar um olhada no seu armário e descobrir quais as suas peças Highlander? Separa aí e conta pra gente postando no Instagram com a hashtag #maisantigasdoarmário. Quanto mais antigo, mais legal!

Créditos:

Saia: Maria Bonita Extra
Camiseta: Zara
Casaco: H&M
Óculos: Zero UV
Sapatos: Arezzo
Batom: Relentlessly Red da MAC