De Hillary Clinton as babá do Ben Affleck
24 de agosto de 2015 POR Jojo COMENTA AQUI!
Aquele dia de preguiça gostoso em que a gente pode sentar no sofá, comer pipoca/pizza/brigadeiro/insira-aqui-a-sua-indulgência-gastronômica-dominical e fuçar a internet em busca de inspiração pra começar a semana com energias positivas está entre nós (na verdade já tá chegando ao fim, mas disfarça).Queria começar o post dizendo que AMEI os comentários que recebi semana passada, especialmente os relacionados à propaganda da Bombril. Vocês tem toda razão. Enquanto marcas continuarem achando que limpeza é responsabilidade única e exclusiva da mulher, as coisas nunca vão mudar.

Acho que essa é a maior diferença de quando eu participei dessa campanha lá em 2013. Naquela época, os comerciais convocavam os homens a participarem das tarefas domésticas e tirarem um pouco do trabalho que sempre cai nas nossas costas, ao invés de simplesmente assumir esse é o papel da mulher e pronto. Uma pena, mas acho que a campanha desse ano foi um passo pra trás, mas enfim, tomara que eles retomem um discurso bacana com foco no compartilhamento de tarefas.

Dito isso, bora falar do que rolou essa semana!

SOBRE IGUALDADE DE REMUNERAÇÃO PARA HOMENS E MULHERES

Aqui nos EUA a corrida presidencial já tá bombando. Essa semana, Hillary Clinton, candidata do partido democrata, esteve em Las Vegas onde falou sobre seus objetivos na campanha e ouviu perguntas do público. A melhor pergunta veio de uma menininha:

No vídeo, ela pergunta à candidata se ela receberá o mesmo salário de um presidente americano do sexo masculino. Hillary responde que esse é um dos poucos empregos em que homens e mulheres são obrigados a ganhar a mesma coisa, mas ressalta que ainda existem tantos empregos em que isso ainda não acontece. E, por isso, como presidente, ela irá lutar para que todas as mulheres, em todos os empregos passem a ganhar salários iguais aos dos homens que desempenham a mesma função. You go, girl!

SOBRE FAST X SLOW FASHION

Basta ler o UASZ durante 10 minutos pra saber que eu sou fã doida da Leandra Medine do Man Repeller. É que, além de super estilosa, eu ADORO as coisas que ela escreve.

Essa semana mesmo ela escreveu sobre um assunto que anda me fazendo matutar tem um tempo: fast fashion vale à pena?

Na coluna, Leandra fala sobre como começou a pensar nisso depois que teve que jogar uma camiseta da Zara fora depois de apenas um ano de uso. A bichinha tava tão surrada que, segundo ela, não dava nem pra passar adiante.

Tudo bem, ela pagou 9,90 doletas pela bichinha, é de se esperar que ela não dure pra sempre. Mas a experiência a fez pensar: roupa não deveria ser um negócio com o qual a gente tem um relacionamento um pouco mais longo? Não estamos falando de coisas perecíveis tipo um alface que você compra na feira e tem que comer na mesma semana. Roupa não devia estragar.

Eu adiciono ainda outro ponto pra discussão. Com toda a informação que vem sendo produzida sobre a ligação entre marcas de fast fashion e processos de produção absolutamente anti-éticos, fica difícil entrar numa das lojas e não se sentir culpada.

A solução de Leandra é comprarmos menos, mas investirmos em peças um pouco mais caras, mas de mais qualidade. Sim, ela reconhece que é a própria indústria da moda (da qual ela faz parte) que criou essa dinâmica doida de que precisamos ter sempre mais. Eis que aparece diante de nós a possibilidade de quebrarmos o ciclo vicioso e estabelecermos um novo jeito de consumir moda. Parece fazer todo sentido.  Mas e na prática? Será que a gente consegue? Que cês acham?

SOBRE O PIOR USO POSSÍVEL PARA O PHOTOSHOP

Uma página no Facebook chamada Project Harpoon (Projeto Arpão) tem photoshopado imagens de celebridades para que pareçam mais magras.

Mulheres como a modelo e web celebridade Tess Holiday, as atrizes Melissa McCartney e Rebel Wilson e a cantora Meghan Trainor (todas fortes ativistas pela quebra dos rígidos padrões de beleza impostos pela mídia atual) aparecem em fotos originais e em versões completamente alteradas.

As legendas que acompanham as montagens são especialmente cruéis. Em uma delas, a página diz:

“Meghan Trainor seria bem mais popular se ela realmente fosse como a indústria quer que ela seja. Nada de “all about that bass”, né?”

E completam com a hashtag #THinnerBeauty (beleza magra).

Segundo o perfil, eles estão apenas incentivando um estilo de vida mais saudável e as fotos servem como metas e estímulos para as mulheres ali retratadas.

Depois de inúmeras denúncias, a página foi recentemente banida do Facebook, mas ainda está funcionando no Twitter (inclusive com a ilustração de uma baleia como foto de perfil).

SOBRE A BABÁ

Muito se falou nas últimas semanas sobre as supostas separações de Ben Affleck e Jennifer Garner e Gisele e Tom Brady. Se falou tanto que me deu um preguiça louca desse assunto. Mas o que mais me irritou foi ouvir frases como: “Também, quem é doido que botar uma babá gata/gostosa dentro de casa?” ou “Essa babá é uma piranha! Deve ter ficado seduzindo o cara loucamente.”

Bem, esse texto aqui que foi publicado no site da Glamour resume bem os meus sentimentos sobre esse assunto.

Tá bom, né gente? Já tem assunto aí pra gente discutir a semana toda! Aguardo os comentários e opiniões de vocês!