Alimento pro pensamento: Barbies, princesas e a Globeleza
1 de Fevereiro de 2016 POR Jojo COMENTA AQUI!

Tem tempo que a gente não faz um post de alimento pro pensamento, né? Pois vamo dar um jeitinho nisso e vai ser agora!

Coisas que vi por aí essa semana e me inspiraram, aqui vão elas:

SOBRE A GLOBELEZA

O pessoal da revista Azmina, publicação voltada para o empoderamento feminino, foi às ruas de Nova Orleans com um celular na mão e uma missão: mostrar a campanha de Carnaval da Globo, aquela clássica da Globeleza e perguntar pras mulheres aqui nos EUA o que elas achavam dessa história.

A escolha de Nova Orleans foi estratégica: a cidade é conhecida pelo seu Carnaval de rua. Ou seja, não estamos falando de um vilarejo conservador dos EUA. Estamos falando de uma cidade que tem tanta intimidade com festa quanto a gente lá no Brasil. A reação das mulheres você vê nesse vídeo:

https://www.youtube.com/watch?v=MuHMleanBX0

SOBRE AS PRINCESAS DA DISNEY (E O FATO DELAS NÃO TEREM MUITA VOZ)

Duas linguistas de uma universidade na California resolveram analisar a quantidade de falas femininas nos filmes de princesas da Disney. A análise faz parte de um estudo que tem como objetivo entender de verdade a importância da voz feminina nesses filmes.

No gráfico aqui embaixo dá pra ver direitinho o percentual de falas de mulheres em cada um dos filmes produzidos nos últimos 80 anos.

Alimento_pro_pensamento

O mais impressionante é perceber que filmes tidos como mais “feministas” como a Bela e a Fera ou Frozen, tem percentual de falas femininas bem pequeno, inclusive se comparados aos filmes mais antigos com protagonistas mais passivas como Branca de Neve ou A Bela Adormecida.

Segundo as linguistas, um dos problemas é que, apesar de terem protagonistas mais ativas, os filmes mais novos tem mais personagens e praticamente todos são masculinos. Isso quer dizer que, mesmo com princesas menos passivas, ainda temos filmes com poucos exemplos femininos bacanas.

SOBRE A REALIDADE DO CORPO PÓS PARTO

Eu confesso, até pouco tempo atrás nunca tinha parado pra pensar sobre como fica o nosso corpo depois do parto. Não lembrava de ter visto uma mulher logo depois de dar a luz e nunca tinha parado pra pensar o que acontecia com a barriga. Sei lá, parecia normal que a barriga sumisse junto com o bebê.

Em parte, a culpa da minha ignorância era minha mesmo e da minha falta de curiosidade (até então) sobre o assunto. Mas não vou levar essa culpa toda sozinha não. Outra parte dela é de ter passado a vida vendo celebridades exibindo uma barriga chapada semanas depois de dar a luz.

Mas aí veio a Kate Middleton S2 e me mostrou que não é nada disso. Sem medo, ela saiu do hospital com o maridão do lado carregando o filhote George nos braços e uma barriguinha pós parto que não podia ser mais natural.

Alimento_pro_pensamento

E foi assim que uma ficha enorme caiu pra mim e por isso eu serei eternamente grata à Duquesa de Cambridge.

Pois, essa semana, uma nova foto rodou a internet. Uma americana postou uma selfie com seu filho recém nascido e sua barriga pós parto. Só o fato dessa foto ter viralizado tanto prova o quanto ainda somos carentes de retratos verdadeiros de mulheres nesse momento da vida.

Alimento_pro_pensamento

Dá pra ver o post dela no Instagram aqui, mas a legenda da imagem é tão legal que achei que valia a pena colocar pelo menos o comecinho traduzido aqui:

“Esse é o retrato de uma mulher 24 horas depois do parto. Bebê no canguru. Pele com pele. Fralda adulta. E um brilho rosado no rosto.”

SOBRE A EVOLUÇÃO DA BARBIE

Finalmente: a Barbie mudou. Mesmo.

Maior prova de que o discurso de mudança dos padrões estéticos tá funcionando sim. E é por isso que a gente tem que continuar falando sobre esse assunto. Pra incentivar mais e mais marcas a abraçarem a ideia e ajudar a educarmos uma nova geração de meninas com muito mais auto-confiança e amor próprio.

SOBRE GENEROSIDADE E EMPATIA

Falando em Barbies, uma menininha americana de 9 anos está numa missão de conseguir mil bonecas Barbies. A ideia de Gianni Graham, do estado de Virginia, é doar as Barbies para mil meninas que moram em abrigos. Segundo ela, as meninas que moram nesses abrigos também merecem ter as mesmas coisas que ela. Até o momento ela conseguiu acumular 700 bonecas.

Alimento_pro_pensamento

Dá pra saber tudo sobre o projeto e como participar no site www.1kbarbiesfor1kgirls.com. Fofura pura!

É isso, minha gente! Uma semana inspirada procês!