Por que a gente deveria produzir menos lixo
7 de julho de 2016 POR Cristal Muniz COMENTA AQUI!

Eu sempre me considerei uma pessoa suuuuuper sustentável, eco-friendly mesmo. Eu separava o lixo, lavava recicláveis e jogava na lixeira correta no condomínio. Eu sabia que lixo era um problema e fazia a minha parte pra melhorar aquilo (alguma semelhança com você até aqui?). Certo? Então… Não tanto.

No final e 2014 eu conheci a Lauren Singer e descobri que ela já não produzia lixo há dois anos. Óbvio que a minha primeira reação foi: isso só pode ser mentira. E lá fui eu atrás do blog dela pra tentar entender do que realmente se tratava, se ela realmente não produzia lixo. Foi assim que eu percebi que separar o lixo na minha casa não era fazer a minha parte, era só a pontinha do iceberg.

potes-de-vidro-para-comprar-a-granel

Um brasileiro produz, em média, cerca de 1kg de lixo por dia. Isso dá, ao longo do ano, quase meia tonelada de lixo. Parece muito, mas você provavelmente pensou “ah, eu nem produzo tudo isso não”. Então eu te convido a parar um pouquinho e olhar pro seu dia (pode ser o dia de hoje mesmo): você comeu algo que veio numa embalagem de cafê da manhã. O almoço, provavelmente na rua, também teve sua cota de guardanapos e, dependendo do lugar, talheres, copo e pratinho descartável. Se no seu trabalho o café é em cafeteira de cápsulas, mais um lixinho. E se você ainda não tem uma caneca, mais um copo descartável. Lanchinho da tarde: iogurte? Cookies? Fruta já descascada e cortadinha? Mais um lixinho. E a janta preguiçosa foi um delivery, talvez. Mais um tanto de lixo de embalagem da comida, os sachês de molhos, talheres. Enfim, já deu pra entender que não é difícil produzir 1kg de lixo por dia, né?

guardanapos-de-pano

Guardanapos de pano são lindos e não geram lixo

Infelizmente, a nossa relação com lixo ainda é como se, ao amarrar as orelhinhas da sacola e colocar na lixeira da rua, ele não fosse mais problema nosso. Como se tudo desaparecesse em um passe de mágica. E o problema começa aqui. A gente acha que a coleta de lixo está reciclando todos os materiais e levando cada um pra um lugar mágico que lida com eles do jeito mais ecológico possível. Ó, sinto informar que não é bem assim, muito menos aqui no Brasil.

Em 2014, uma pesquisa realizada pelo Ciclosoft mostrou que só 17% das cidades brasileiras ofereciam coleta seletiva. A estimativa é que só 3% de todo o lixo gerado no Brasil seja reciclado. Assustador, né?

Ok, depois desse cenário triste, a gente se pergunta: tem saída? Tem sim. A gente pode começar agora a viver uma vida com menos lixo. Sem precisar ir morar numa fazendinha hippie (apesar de que eu ia achar super legal também), gastando menos dinheiro (yes!) e aprendendo a viver uma vida com menos desperdício, estabelecendo uma relação mais amiga com a gente mesmo e com a nossa casa (o mundo, a cidade, tudo).

Processed with VSCOcam with n1 preset

Sabão em pó para roupas que eu mesma faço

Tudo o que eu sei hoje sobre esse assunto, eu aprendi conversando com muita gente e todas as ideias e dicas foram viranto posts lá no Um ano sem Lixo. Minha ideia foi aprender ao longo de 2015 a parar de produzir lixo. E ó, posso dizer que deu certo, viu? Claro que a minha jornada é infinita e eu ainda produzo alguns tipos de lixo, mas a gente vai ter muito tempo pela frente pra falar disso (e tentar achar novas soluções juntos).

Então vamos deixar aqui combinado: eu vou estar aqui no UASZ todo mês pra contar o que aprendi e dar muitas dicas boas. E, mais do que isso, mostrar que essa mudança não precisa ser chata, não precisa ser difícil, tem que ser no seu tempo e no seu ritmo, o quanto você conseguir. Mas eu garanto que, se você experimentar, não vai se arrepender.