A casa que fez a nossa viagem pra Cuba ser inesquecível
11 de Janeiro de 2018 POR Jojo COMENTA AQUI!

No post com as dicas pra organizar a sua viagem pra Cuba, eu comentei sobre o fenômeno das casas particulares, casas de famílias cubanas em que você pode alugar um quarto pra se hospedar.

Eu acho a experiência de se hospedar na casa de alguém sempre super interessante (e por isso amo o Airbnb), mas, em Cuba especificamente, eu recomendo ainda mais. De uma forma geral, os hotéis em Cuba são muuuuito mais caros e tem um serviço pior. Mas fora esse lado mais prático, estar na casa de alguém em Cuba é uma experiência muito especial.

Pra começar, você tá colaborando pra o sucesso de um micro empreendimento local, contribuindo pra o complemento da renda de uma família, colocando o seu dindin num lugar que vai fazer diferença. Segundo, você se abre pra conhecer novas pessoas, entender a rotina delas, conversar com elas sobre a vida por lá.  A verdade é que Cuba é um país bem diferente do nosso e da maioria dos países que a gente já visitou. Algumas coisas são melhores, outras são piores. Mas só conversando com as pessoas é possível começar a entender como as coisas funcionam por lá. E estar na casa de alguém e ter a oportunidade de ouvir essas pessoas é uma das experiências mais legais da viagem.

Então, primeira dica é realmente: fique numa casa particular. Você não vai se arrepender.

Dito isso, eu preciso falar sobre a Casa Norma, o lugar que fez com que a nossa passagem por Havana fosse realmente inesquecível.

Ficamos em casas particulares em quase todas as cidades por onde passamos nessa viagem, mas em Havana foi muito especial. Encontramos a Casa Norma por acaso no Homestay, depois de ter tentado reservar uma outra casa que já estava cheia pro período da nossa viagem. Mal sabia eu da sorte que tinha dado. Então vamos aos motivos pelos quais a Casa Norma entrou nos nossos corações para todo o sempre?

1. A CASA É UM DESBUNDE DE LINDA

A Casa Norma ocupa um andar inteirinho num lindo casarão colonial em Centro Havana. A casa hoje tem três quartos super charmosos disponíveis para hóspedes. Tudo branquinho, limpo e bem cuidado num estilo rústico minimalista.

A casa ainda conta com uma cozinha super linda em estilo colonial (original da época) e dois ambientes sociais. Na área aberta no vão da casa, as paredes pintadas de verde e as plantas penduradas dão clima de jardim interno e duas mesas de metal formam o ambiente onde rola o café da manhã ao ar livre. No lounge / bar, cadeiras de balanço feitas de madeira formam o ambiente perfeito pra jogar conversa fora enquanto se degusta um mojito.

Cada ambiente preserva seu estilo original, com decoração que presta homenagem ao estilo cubano. Tudo super lindo e cheio de personalidade.

2. OS ANFITRIÕES

Erwann e Daniel são os nomes por trás da Casa Norma, um casal franco-cubano que divide seu tempo entre Paris e Havana. Há dois anos eles resolveram investir na cidade natal de Daniel. Compraram o andar num casarão colonial que hoje abriga a Casa Norma com a ideia de receber amigos e fazer novos amigos recebendo gente do mundo todo.

O nome da casa é uma homenagem à mãe do Daniel, Dona Norma, lembrada também numa foto em preto e branco delicadamente exposta no lounge da casa. E é nessas pequenas coisas que Daniel e Erwann te fazem se sentir em casa.

Eu nem tinha chegado na casa e esses dois já se mostravam as pessoas mais prestativas desse mundo. Pedimos pra mudar as datas da nossa hospedagem, eles prontamente mudaram. Pedimos pra eles ajudarem a gente com reservas de restaurantes, eles prontamente reservaram.

Mas o mais legal mesmo é ver a naturalidade com que esses dois recebem seus hóspedes. Cada pessoa que toca a campainha é recebida com sorrisos e abraços, como velhos amigos voltando de uma viagem. A gente chega e senta na sala, começa a bater papo e, quando dá conta de si, já tem um mojito em mãos. O tempo passa rápido porque a conversa rende e a gente tem que se policiar pra sair de casa e conhecer a cidade, porque a vontade é mesmo de ficar ali jogando conversa fora.

3. OS MOJITOS DO DANIEL

Pensa que mojito é tudo igual? Tá muitíssimo enganado. O Daniel faz um mojito diferente do tradicional que é dos deuses. E basta estar na casa por algumas horas pra ele já te ensinar a receita e te convidar pra trás do balcão do bar pra fazer um com ele.

Fora isso, sentar ali no balcão da casa, vendo a vida passar ali na rua enquanto se degusta um mojitinho é dos programas mais gostosos.

4.  O CAFÉ DA MANHÃ DO ERWANN

Em meio a todo esse cenário cubano, o ar francês da casa pode ser sentido nos detalhes, na música da Bretanha que vez ou outra enche a casa, nas vozes dos tantos hóspedes franceses que vem e vão. Mas talvez a maior materialização da França na casa Norma esteja na elegância com que Erwann prepara os cafés da manhã e, lógico, nas delícias que chegam à mesa.

O café da manhã da Casa Norma foi o melhor de toda a viagem. Ao acordar, a gente saía do quarto e dava de cara com uma mesa posta com uma variedade de frutas, queijo, manteiga e pão fresquinho da padaria. Como se não fosse suficiente, ao sentar é possível sentir o aroma sempre diferente de alguma coisa deliciosa saindo da cozinha. Minutos depois Erwann chega à mesa pra revelar a surpresa, cada dia diferente. No nosso tempo lá experimentamos panquecas, crepes e torrada francesa e eu confesso que até agora não consegui eleger o meu preferido.

5. AS RECOMENDAÇÕES DE RESTAURANTES

Muita gente tinha me avisado que Cuba não seria uma viagem muito gastronômica. Que a comida do dia a dia era gostosinha (meio parecida com a do Brasil, arroz, feijão, saladinha e uma proteína, mas com menos tempero) mas que era difícil encontrar um restaurante incrível.

Como eu gosto muito de comer, pesquisei muito na internet até achar uma lista de restaurantes que queria ir em Havana e já deixei três deles reservados pra gente jantar antes mesmo de sair de Londres. Mas eis que tinha a questão do almoço, né? Então todo dia antes de sair pra bater perna eu chegava junto do Erwann e pedia uma recomendação de lugar charmosinho e gostoso pra gente almoçar. Ele perguntava pra que lado da cidade a gente ia, pensava dois minutos e me dava uma resposta com direito a nome e endereço.

Resultado: os lugares que eu achei na internet realmente eram bem gostosinhos, charmosos e valeram super à pena. Maaaaas a melhor comida que a gente comeu na viagem sem a menor sombra de dúvida foi mesmo nos restaurantes que o Erwann recomendava diariamente pra gente. Um mais maravilhoso que o outro, tipo o La Concordia que tem esse terraço delicioso da foto aqui embaixo. (a lista completa de restôs vem no post de Havana amanhã)

6. O NATAL EM FAMÍLIA

Por coincidência, a gente estava em Havana bem na semana do Natal. Por conta da data, a família do Daniel também estava por lá, hospedada na casa junto com a gente. Pudemos conhecer a incrível prima Lili, professora aposentada que hoje trabalha como voluntária numa escola em sua cidade. E que figura era a prima Lili e quanto mais colorida e alegre ela deixou a casa e os nossos dias.

Foi lindo ver essa família reunida e suas misturas, o francês misturado com espanhol, a salsa misturada com a dança da Bretanha e o samba (esse por nossa conta).

Ter tido a oportunidade de ver só um tiquinho dessa interação e conhecer um pouquinho mais dessas pessoas foi muito especial e fez do nosso Natal longe de casa, um Natal de verdade.

Por essas e outras eu recomendo muito a Casa Norma. Mas se você estiver indo pra Havana e não conseguir reservar lá (são só três quartos por enquanto, mas há planos de expansão pro andar de cima), não se preocupe. Entra lá no Homestay ou no Airbnb e paquere as casas até achar uma com uma carinha que você goste e boas recomendações de gente que já passou por lá. Com certeza a experiência vai render ótimas lembranças e, quem sabe, até bons amigos.

Aliás, se você já foi pr Cuba e ficou numa casa bacana, não esquece de deixar a dica aqui nos comentários pra galera ficar sabendo. O que é bom a gente tem que divulgar, é ou não é?