Tudo o que você precisa pra começar a organizar a sua viagem pra Cuba
8 de Janeiro de 2018 POR Jojo COMENTA AQUI!

Eu sei que andei meio sumida aqui do blog. À essa altura já dá até pra fazer aquela piadinha infâme de tio: “Pô Jojo, não posta desde o ano passado, hein?” Pois bem, tava ausente pelo excelente motivo de que estava viajando (sim, publicitária blogueira também é filha de Deus e tira férias) e lá onde a gente foi passar o Natal e o Ano Novo internet era um troço bem difícil de encontrar.

Mas cá estou eu, já de volta no frio conectado de Londres, pra contar todas as aventuras dessa minha temporada em Cuba!

Preciso começar esse post falando um troço pra vocês: eu nunca recebi tantas súplicas de leitoras por um post de viagem quanto depois dessa nossa ida pra Cuba. Foi muita gente mesmo me pedindo dicas de como organizar a viagem, onde ficar, o que fazer, o que levar. Então, como aqui nesse blog a voz do povo é a voz de Deus, eu resolvi fazer não um, mas alguns posts da minha viagem pra esse país tão incrível. Esse primeiro post que você está lendo neste momento vai ser focado em dicas básicas pra quem tá pensando em começar a organizar a viagem. Depois, vai ter mais alguns com dicas específicas do que fazer nas diferentes cidades que a gente visitou. É bom que assim eu tenho assunto pra postar até o mês que vem, gente! #facilitaavidadablogueira

Então bora lá?

COMO ORGANIZAR A VIAGEM

Como eu mencionei lá no início do post, o povo cubano tem acesso à internet MUITO limitado, o que significa que é um pouco mais complicado reservar coisas pela internet e você vai precisar recorrer ao telefone algumas vezes. Mas Jô, dá pra organizar tudo sozinho ou precisa ter agência de viagem no meio? A gente organizou tudo por conta própria. Porém tem que ter paciência e pesquisar bastante.

A passagem aérea é um bom exemplo desse processo. Achamos na internet uma passagem da Virgin Atlantic direto Londres – Havana com um preço bem bom. Mas chegava na hora de clicar pra comprar e o site indicava que a gente tinha que efetuar a compra por telefone. Compramos sem muita dificuldade, mas teve esse passo a mais que pra qualquer outro país a gente não teria.

Voamos durante o dia de Londres pra Havana num vôo direto da Virgin Atlantic e fomos presenteados com esse pôr do sol.

Pra todas as outras reservas (hotel, casa, restaurante…) a gente teve a mesma dificuldade de conseguir contato online. Geralmente você manda email e tem que esperar um pouquinho pela resposta. Muitos restaurantes inclusive não possuem nem site e você tem que fazer a reserva por telefone. A gente contou com a ajuda do dono da casa onde a gente se hospedou em Havana pra fazer todas as nossas reservas de restaurante.

Com um pouco de paciência a coisa anda e dá tudo certo. Porém, se você já tá nervosa de ler tudo isso e quer fechar logo tudo, sugiro mesmo optar por uma agência de viagem especializada.

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PRA ENTRAR NO PAÍS

Além do seu passaporte (lógico), pra entrar em Cuba você precisam ter um visto e um seguro viagem. O visto, ou como eles chamam “tarjeta turista”, é super fácil de tirar. A gente tirou o nosso através do serviço consular, que é mais recomendado, mas tem outras maneiras também. Nesse post do Melhores Destinos eles explicam tudo direitinho.

ONDE SE HOSPEDAR

Se tem uma dica que eu te dou de todo coração é: se for pra Cuba, não se hospede em hotel. Fique na casa das pessoas.

Em 97, o Governo Cubano liberou a população pra alugar quartos em suas casas para turistas como forma de complementar a renda. E assim surgiram as “casas particulares”, casas de famílias cubanas onde você pode alugar um quarto pra se hospedar.

A gente já tinha ouvido muita gente dizer que as tais casas particulares valiam muito mais a pena do que os hotéis. Não só por serem MUITO mais baratas, mas especialmente pelo cuidado no atendimento.

Durante a nossa viagem, acabamos tendo as duas experiências. Durante as nossas duas semanas em Cuba, ficamos em dois hotéis e três casas particulares e posso dizer com muita tranquilidade procês: fiquem em casas particulares. Alguns motivos:

  • de forma geral elas são mais limpas, charmosas e o atendimento é bem melhor.
  • é uma oportunidade única de você conviver com uma família cubana, conversar com eles e conhecer novos pontos de vista sobre o país.
  • o café da manhã dá de 10 a 0 no dos hotéis. Tudo super caprichado, com carinha de casa de vó.
  • alguns dos melhores mojitos que a gente tomou na viagem foram em casas particulares.
  • o povo cubano é muuuuuuito simpático e você acaba ficando amigo das pessoas.

Olha a carinha da Casa Norma, onde a gente ficou em Havana. Coisa mais linda, com os anfitriões mais fofos!

A gente achou muitas casas legais num site chamado Homestay.  O site é super confiável e te coloca em contato direto com os donos das casas para fazer as reservas. Também tem algumas listadas no Airbnb, mas ainda em menor quantidade do que no Homestay. A minha dica é prestar atenção nos comentários deixados por pessoas que já se hospedaram na casa. Uma casa com muitos comentários positivos é satisfação garantida!

O QUE LEVAR NA MALA

Em Cuba faz calor o ano todo, então pode tratar de levar muita roupa leve. Além disso, é um país super informal. Dificilmente você vai encontrar uma situação em Cuba que te exija estar super arrumado. Eu sempre levo uma roupinha mais chiquezinha pras viagens só pra garantir, mas não precisa mais que isso.

Lookinho bem fresco e charmoso pra andar pelas ruas de Havana Vieja

Se você for super friorenta vale levar um casaquinho leve, especialmente se você incluir no roteiro uma cidade como Viñales, que é mais rural e fica no meio de um vale, então faz um friozinho à noite e logo cedo pela manhã.

Em Cuba também é bem complicado de encontrar um monte de itens básicos pra comprar, então aqui vai uma listinha do que é bom levar.

  • protetor solar (faz muito sol!)
  • repelente (em Havana não tem muitos mosquitos, mas em outras cidades mais praianas o bicho pega e Cuba é um dos países em que rola Zika Vírus)
  • shampoo, condicionador, pasta de dente/escova e tudo de beleza que você não vive sem em tamanho grande pra não acabar no meio da viagem (vai ser bem difícil encontrar os seus produtos por lá pra comprar, então leve tudo o que vai precisar)
  • absorvente ou copo menstrual (mesmo se você não acha que vai ficar menstruada por lá, é bom levar)
  • remédios (os que você costuma usar e os que você pode precisar – a gente levou o kit básico pra dor de cabeça, dor de barriga, azia, etc)
  • tênis de trilha (Cuba tem muitos parques nacionais lindos que valem ser explorados)
  • chapéu ou boné (porque o sol é intenso)
  • canga ou toalha de praia (pras praias mais desertas que não tem a infra estrutura de cadeira ou esteira)

COMO SE LOCOMOVER

Tem vários jeitos de se locomover de uma cidade para outra em Cuba, cada um com seus prós e contras, então vamos a eles.

De ônibus

A empresa oficial de ônibus de Cuba é a Viazul e dá pra fazer pré-reserva de passagens pela internet no site oficial deles. Aí é só chegar na rodoviária e pegar as sua passagem.

Lado bom: passagem barata e viagem bem segura e confortável.

Lado ruim: viagem mais longa, com menos flexibilidade de horários de saída. Se comprar na hora na rodoviária, também pode ser que rolem filas longas e bem demoradas.

De táxi oficial

Os táxis oficiais são esses novos, amarelos, do jeitinho que a gente conhece.

Lado bom: viagem segura e confortável, num carro moderno e com ar condicionado. Além disso, tem a flexibilidade de horários, basta combinar a hora com o motorista.

Lado ruim: beeem mais caro que o ônibus. Os táxis não cobram por taxímetro, o preço é de uma cidade a outra é tabelado, mas dá pra negociar um desconto. O trajeto pode chegar a custar mais de 200 dólares de uma cidade para outra, e varia conforme a distância. Se você tiver em um grupo de amigos vale mais a pena porque vocês dividem o custo.

De táxi coletivo

Os táxis coletivos são aqueles carros antigos, geralmente da década de 50. Eles não são táxis oficiais, mas tem muita gente que faz trajetos de uma cidade pra outra neles. Eles chamam de “coletivo” porque você compra o seu lugar no carro e vai com outras pessoas que estão indo lá pro mesmo lado que você.

Esse foi o táxi coletivo que pegamos de Viñales para Cayo Jutías, com três fileiras de assentos e 9 pessoas no carro.

Lado bom: mais caro que o ônibus, bem mais barato que o táxi. Comodidade de te buscar em casa e, como tem ampla oferta desses coletivos, é bem fácil conseguir um. Basta pedir indicação pro dono da casa particular em que você estiver se hospedando. Além disso, você acaba conhecendo gente e fazendo amigos no trajeto.

Lado ruim: menos confortável e menos seguro que o carro moderno ou o ônibus. Os carros antigos geralmente não tem cinto de segurança. Alguns deles também estão em condições bem precárias. É bom mesmo pedir indicação pro dono da casa de alguém que seja de confiança e tenha um carro bem conservado.

De carro alugado

A gente não alugou, então não tenho muito como falar sobre a experiência. O que ouvimos é que era caro. Como as estradas no país conseguem ser beeeeem ruins, preferimos viajar com motoristas que já conheciam os caminhos.

COMO SE CONECTAR

O acesso à internet no país inteiro é muito limitado. Pra se conectar você tem que comprar um cartãozinho (tipo aqueles cartões telefônicos antigos) que te dá acesso a uma hora de conexão na rede wifi do governo. O órgão que comercializa os cartões e oferece a conexão é a Etecsa. Dá pra comprar o cartão direto nas lojas da Etecsa ou em vendedores credenciados (o hotel que ficamos no primeiro dia vendia).

Com o cartão em mãos, você tem que achar os lugares na cidade onde rola sinal. Basta prestar atenção na rua que você vai identificar rapidinho onde é possível se conectar: onde tiver uma galera com o celular na mão, pode apostar que tem sinal. Geralmente rola nas praças principais das cidades ou em hotéis e restaurantes mais turísticos.

QUE MOEDA LEVAR

Antes de mais nada, esqueça cartão de crédito. Poucos lugares em Cuba aceitam além dos hotéis. American Express então, nem pensar! Cuba tem duas moedas. O CUP, ou peso cubano, é a moeda com que os cubanos são pagos pelo governo e, consequentemente, que eles usam no dia a dia. O CUC é a segunda moeda, usada pelo turismo.

O CUC vale exatamente a mesma coisa que o dólar, e é equivalente a 25 pesos cubanos (por isso que muitos cubanos preferem trabalhar com alguma atividade relacionada ao turismo, pra receber na moeda que vale mais).

Antes de viajar, compre euros no Brasil. São a moeda mais fácil de conseguir trocar por CUC, dólar é bem mais complicado. Se possível já saia do Brasil com todo o dinheiro que vai precisar para a viagem em espécie pra não precisar contar com caixas eletrônicos (tem, mas não é fácil de achar e rola uma taxa pra sacar dinheiro).

Quando você chegar lá em Cuba, vá direto a uma casa de câmbio (no aeroporto de Havana em duas) e troque o seu din din por CUCs. Nem adiante tentar trocar antes de chegar lá porque só é possível comprar a moeda cubana dentro do próprio país.

QUANTO SE GASTA E COMO ECONOMIZAR

Cuba pode acabar se tornando uma viagem bem cara se você não tomar cuidado. Hotéis e restaurantes mais turísticos podem ser adicionar um custo super alto à sua viagem e não necessariamente serão as melhores experiências por lá. Mas tem jeitos bem legais de gastar menos e tornar a sua experiência cubana mais autêntica.

  • trocar o hotel pelas casas particulares: hotéis bons em Cuba são raros e custam caro, em média 150 dólares por noite. Em comparação a média de custo de uma diária numa casa particular é de 20 dólares e, como falei lá em cima, o serviço e experiência costumam ser muito melhores.
  • tome café da manhã na própria casa em que você está ficando. A maior parte das casas oferece café da manhã por 5 CUC por pessoa.
  • opte por comer nos paladares: paladares são restaurantes familiares de comida caseira. Dá pra encontrar uns bem gostosinhos com frutos do mar frescos e o preço é bem mais convidativo do que os restaurantes mais badalados.
  • se programe pra ir de uma cidade pra outra de íonibus ao invés de táxi.
  • dentro das cidades, opte por andar a pé. Mesmo em Havana, tudo é mais ou menos perto, então dá pra fazer bastante coisa andando.
  • nas praias, opte por ficar na sua canga ou toalha de praia e evite de pagar os custos da espreguiçadeira e guarda-sol.

O San Cristóbal é um paladar que ficou super famoso e já recebeu clientes importantes como Obama e Beyoncé.  Hoje já não é mas tão baratinho, mas vale muito a visita.

De uma forma geral, acho que esses são os principais pontos pra te ajudar a se preparar pra viagem. Outras coisas importantes que vale mencionar:

  • o país é MUITO seguro. Andamos pra cima e pra baixo, altas horas da noite, eu ruas desertas e nada acontece. O resultado desse clima de segurança é que a gente viu muitas minas de todas as idades viajando sozinhas na maior tranquilidade.
  • a única coisa que tem que tomar cuidado é que muita gente vai tentar te indicar lugares onde eles conseguem tirar uma graninha (o restaurante de um parente, a casa particular de um amigo) e essass não necessariamente são as melhores opções.
  • a salsa é um ritmo muito maneiro e toda cidade tem o seu centro de dança onde rolam festas todos os dias.
  • o povo é MUITO simpático e tem uma alegria meio brasileira. Todo mundo é muito aberto, adora bater papo, convidar pra dentro de casa. Aproveite pra conversar com as pessoas, fazer amigos e conhecer mais sobre a realidade do país.

É isso, minha gente! Espero que esse post tenha ajudado você a começar a organizar a sua ida pra Cuba. Um país lindo, cheio de história e com um povo maravilhoso. Se você tem mais alguma dúvida ou dica, comenta aí embaixo. E amanhã tem post sobre Havana! Aguarde e confie!

 

 

 

 

  • Monique Riscado Stilpen

    Estava ansiosa pelo seu relato! Ótimas dicas! Estou indo para Cuba em março. Qual foi o seu roteiro?

    • Jojo

      Oi Monique, que bom que você gostou! A gente foi pra Viñales, Havana, Playa Larga e Trinidad. Mais ou menos 4 dias em cada cidade e 2 dias em Playa Larga só pra mergulhar. Aproveite muito a sua viagem!

  • Mary Isadora

    Ai que delicia de viagem !! Amei!!

  • A dica que eu dou para quem sai do Brasil é levar dólar canadense. A cotação para o Brasileiro é bem mais em conta ( 2,74 na média)e na hora de trocar não tem nenhuma dificuldade e também é quase um para um.