Jojo entrevista: Joana Cannabrava do #paposobreautoestima
6 de Março de 2018 POR Jojo COMENTA AQUI!

Pausa na nossa semana temática dos sete anos do blog para a segunda edição do Jojo Entrevista, uma nova sessão aqui no blog em que eu entrevisto mulheres inspiradoras do universo da moda e adjacências (beleza, empreendedorismo, auto-aceitação e outras cositas mais). E qual o melhor jeito de começar esse mês da mulher senão justamente trazendo mais uma mulher porreta pra compartilhar suas vivências por aqui pra inspirar todo mundo?

No post de hoje eu tenho o prazer de apresentar pra vocês a minha xará maravilhosa Joana Cannabrava, autora (junto com a Carla Paredes) do blog F-utilidades que existe desde 2010. Há dois anos, as duas moças vinham pensando em como evoluir o formato do blog. Depois de muita conversa, elas chegaram a uma conclusão: os posts que faziam mais sucesso eram aqueles que elas abriam o coração de verdade e falavam abertamente sobre suas fragilidades e busca por aceitação.

E assim surgiu o #paposobreautoestima, uma hashtag que virou grupo no Facebook e hoje reúne milhares de mulheres com um único objetivo, incentivar umas às outras a se amarem mais. Se isso não é um propósito maravilhoso eu juro que não sei o que é.

Então, aqui vai o meu papo delicioso com a Jô e um pouco mais sobre a história incrível do Futi e do #papo!

Jojo UASZ – Como surgiu a ideia de transformar o Futilidades num “papo sobre autoestima”?

Joana do Futi – A ideia surgiu depois de um ano complicado, onde a gente passou a se questionar se estávamos no caminho certo. Depois de 6 anos de blog, começamos a achar que reinventar o nosso espaçø era preciso, mas não tínhamos ideia de como fazer isso. Até que passamos meses revirando todo o conteúdo do blog pra entendero que se destacava, Acabamos descobrindo que questões ligadas à auto-estima sempre se tornaram posts importantes, que até hoje estão no ranking dos mais lidos e aqueles que fazem com que as pessoas venham conversar. Quando percebemos isso, não tivemos dúvidas que o caminho mais natural a seguir era esse. E foi libertador!

A post shared by futilidades (@futilidades) on

Jojo UASZ – Como a relação com a auto-estima de vocês evoluiu com o papo? Qual foi a maior diferença que notaram em vocês mesmas depois desse movimento? 

Joana do Futi – Acho que a partir do momento que você começa a ver que não é a única a ter questões com seu corpo ou vulnerabilidades, você se sente acolhida e fica mais fácil trabalhar a autoestima sem tanto medo de julgamentos. Descobrir que não estamos sozinhas foi um fator engrandecedor e foi o que mais nos ajudou – e ainda ajuda – nesse processo.

Jojo UASZ –  Teve um momento de “nossa, nunca me imaginei tendo coragem de fazer/usar/falar/mostrar isso”? Como que foi?

Joana do Futi – Vários momentos, até hoje a gente se surpreende ao ver que estamos usando peças que anos atrás a gente não teria coragem por não termos “o corpo”. O primeiro movimento muito claro aconteceu um pouco antes de mudarmos o posicionamento no blog, quando começamos a trabalhar a hashtag no instagram e abrimos o grupo do projeto no Facebook. Um belo dia a gente começou a ver que outras pessoas estavam postando suas fotos de biquini, maiô, na praia ou piscina, com seus textos dizendo como estavam aprendendo a se libertar do medo de ir à praia ou postar foto de biquini só porque não tinha o corpo de uma musa fitness. Quando vimos, nós duas tínhamos esse mesmo medo. Talvez por estar nesse mundo de blogs há um tempo, a gente estava ainda mais envenenada com essa necessidade de atingir um padrão “perfeito” e por causa disso, nós não postávamos várias fotos justamente por medo de não estarmos adequadas. Mas adequada para quem? Foi aí que vimos que o projeto realmente estava mudando a nossa vida tanto quanto a de tantas meninas que nos mandavam mensagens.

A post shared by futilidades (@futilidades) on

Jojo UASZ – O que vocês acham que, no mundo de hoje, é mais prejudicial a auto-estima da mulher?

Joana do Futi – A comparação. Fomos criadas para vermos outras mulheres como competição e é muito difícil para a maioria entender que a beleza, inteligência, carisma, sucesso ou qualquer outro adjetivo bom de outra mulher não te diminui ou invalida. Enquanto a gente está mais preocupada com o jardim do vizinho, é bem capaz de não vermos que o nosso precisa de cuidados. 

Jojo UASZ – Tem algum exercício que vocês fazem diariamente com vocês mesmas pra aprender a se olhar com mais carinho?

Joana do Futi – O exercício é justamente esse: se olhar com mais carinho e se conhecer antes de tudo. Porque ao se autoconhecer fica mais fácil descobrir se você está tomando atitudes apenas para agradar aos outros ou para agradar a si mesma.

Jojo UASZ – Qual a maior dificuldade que vocês percebem que as meninas no grupo do #papo sentem?

Joana do Futi – Não achamos que exista uma dificuldade específica, cada uma tem suas questões e autoestima não envolve só beleza e corpo. Envolve carreira, morar fora, maternidade, sexo, relacionamentos, familia… Mas acho que a maior dificuldade ainda é se livrar da comparação, isso está presente em quase todos os temas.

A post shared by futilidades (@futilidades) on

Jojo UASZ – Tem alguma coisa em vocês que vocês ainda custam a “aceitar”/sofrem um pouco? Ou já chegaram num momento de amar cada pedacinho de si? É possível chegar nesse ponto?

Joana do Futi – É normal não gostar de certas coisas em si mesma, é normal estar insatisfeita ou querer melhorar algo, é normal acordar um dia, se olhar no espelho e não curtir o que está refletido. Pra gente, nada disso invalida nosso amor próprio. Não achamos que devemos sofrer para aceitar algo que não nos faz bem, mas achamos possível que dê para enxergar cada pedacinho de si com amor, carinho e respeito, sem depender da opinião ou dos julgamentos alheios. Achamos complicado chegar nesse ponto de “perfeição do amor próprio” porque aí criaremos um outro padrão inatingível. 

Jojo UASZ – Qual a maior dica que vocês podem dar pra meninas que sofrem de baixa auto-estima?

Joana do Futi – Se conheçam. É sabendo – e respeitando – nossos limites, qualidades e defeitos que a gente consegue se libertar da comparação ou do medo do julgamento. 

Agora cês podem ir lá seguir a Jô no Instagram do Futi. Segue que é inspiração e desconstrução diária!

E que outra mulher maravilhosa cês gostariam de ver por aqui? Me conta?